Programação preliminar da Maratona do Coral

Com a Ponta do Coral não precisamos de maratona cultural!

Nós, do Movimento Ponta do Coral 100% Pública, convidamos você para a Maratona do Coral! No aniversário de Florianópolis vamos trazer para onde as aves não são de rapina, a Ponta do Coral, muita música, dança e atividades culturais em geral.

A programação da Maratona do Coral começa no sábado com atividades mais leves, como aulas abertas de yoga, oficinas sobre plantas medicinais e auto-defesa, e encerra com a exibição de curtas e documentários sobre a Ponta do Coral e a especulação imobiliária.

No domingo, o dia começa com oficinas e apresentações artísticas e segue com shows de bandas locais.

Na segunda-feira, no aniversário da cidade, a programação está lotada de shows e atividades culturais que começam a partir das 15h e se estendem até a noite.

Confira abaixo a programação preliminar:

>>>>Fiquem ligados que a programação detalhada completa dos três dias será divulgada aqui no evento ainda nesta sexta-feira, 20.<<<<

PROGRAMAÇÃO
Atividades confirmadas*
Sábado (21/03)

15h – Palestra sobre uso de Plantas Medicinais para prevenção e tratamento de doenças + Quitanda de Plantas com César Paulo Simionato e Alesio dos Passos Santos do Horto Medicinal do Hospital Universitário (HU)

+Aula aberta de Tai Chi Chuan com professor Artur Martinhago Aguiar da Escola SinoBrasileira de Kung Fu

+Aula aberta de Yoga com as professoras Aline Rosa e Zulmira da Silva do Projeto Práticas Corporais do CDS/UFSC

18h – Oficina sobre cultura de segurança digital

19h – 21h – Exibição de curtas e documentários sobre a Ponta do Coral e a especulação imobiliária em Florianópolis

Domingo (22/03)
Atividades confirmadas*

15h – Música e Literatura – Apresentação artística de Patrícia Rodovalho e Vera Ferreira
+ Sarau de Poesia
+ Oficina de defesa pessoal para mulheres

18h – EspasmoSonoro – Performance experimental de Airton Perrone e Elenice Nascimento

19h – Shows com a banda Tom de Anis (Reggae) e Garabato

20h – GEOGRAFYA SOUNDSYSTEM

Segunda-feira (23/03)
Atividades confirmadas*

14h – Barqueata – passeata de barcos para apresentação do futuro Parque das 3 Pontas por pescadores do bairro João Paulo

15h – Show com Pipotrio (MPB)

16h – Quarteto Sambaqui (Samba)

17h – Show com a banda Telima

18h – Show com Caraudácia

*Programação sujeita a alteração

Vamos juntos transformar a Ponta do Coral 100% PÚBLICA em um espaço para lazer e cultura o ano todo e não concentrado em um único fim de semana!

Convide seus amigos e curta a página da Ponta Do Coral para ficar sabendo das novidades.

Conheça também a nossa proposta, que é criar o Projeto Parque Cultural das 3Pontas para que toda a população possa usufruir da nossa Ponta do Coral.

Movimento Ponta do Coral 100% Pública

Curta também nossa página no Facebook!
https://www.facebook.com/pontadocoralpublica


PM interrompe limpeza comunitária da Ponta do Coral

As dezenas de voluntários que se reuniram na manhã desta quinta-feira (19) para ajudar na limpeza do terreno da Ponta do Coral foram surpreendidos com a chegada do advogado da Hantei,
acompanhado da Polícia Militar, para impedir a continuidade dos trabalhos.

O Movimento Ponta do Coral 100% Pública visava habilitar o local para receber a Maratona do Coral, um festival cultural que será promovido pelo próprio movimento no local nos dias 21, 22, 23, em comemoração ao 289º aniversário de Florianópolis.

Temos insistindo para que a prefeitura cumpra seu papel e limpe a área. Interessa a quem deixar o mato solto? À Hantei é claro. Quer mexer com a opinião pública, fazendo-as pensar ser melhor um hotel do que um monte de mato. Além disso tempo precioso da polícia foi gasto impedindo a limpeza comunitária do terreno.

Veja o vídeo gravado pelo Coletivo Maruim e tire suas próprias conclusões.


BioGeoPipocada

pipocada2

Nesta segunda (16), às 18h30, tem BioGeoPipocada pra discutir a questão da Ponta do Coral! Todas as pessoas estão convidadas pra vir conhecer e debater sobre a luta em defesa de uma área pública e verde ao lado da Avenida Beira Mar.

O local, que é alvo de disputa e lutas sócio-ambientais desde o início dos anos 80, voltou ao debate público desde o final do ano passado, quando foi apresentado novo projeto de ocupação privada no local, um luxuoso hotel de 18 andares. Movimentos sociais, sindicatos, moradores da região e grupos ambientalistas defendem uma proposta alternativa: um Parque Cultural que abarque as Três Pontas da baía e respeite reivindicações ambientais, sociais, culturais e paisagísticas.

Vem comer uma pipoca, tomar um café e conversar com a gente!

O quê: video-debate sobre a Ponta do Coral
Quando: segunda (16), 18h30
Onde: sala EFI 303, na UFSC, entre o CCB e o CFM

Convidam: Centro Acadêmico de Biologia, Centro Acadêmico Livre de Geografia, Coletivo UC da Ilha e Movimento Ponta do Coral 100% Pública.


Todo apoio à luta pela Ponta do Coral 100% pública!

Há cerca de uma semana, a Frente de Luta pelo Transporte Público, composta pelo Movimento Passe Livre e outras entidades que organizaram as lutas contra o aumento da tarifa, lançou nota de apoio ao Movimento Ponta do Coral 100% Pública. O Movimento agradece e segue mais forte do que nuca. Segue a nota:

Todo apoio à luta pela Ponta do Coral 100% pública!

O processo de urbanização da cidade de Florianópolis, como outras dentro da ordem capitalista, se demonstrou de forma desigual e combinada; a participação do povo nos espaços de tomada das decisões sobre os rumos da cidade nunca veio de graça, apenas com organização e pressão da sociedade – sendo recebida muitas vezes com repressão policial e criminalização, como já vivemos nas lutas pelo transporte ou em defesa das propostas comunitárias no Plano Diretor da cidade.

Entendemos que existe uma profunda relação entre nossa luta pelo transporte público e a luta popular em defesa da área da Ponta do Coral 100% pública e pelo projeto do Parque Cultural das 3 Pontas. Esse eixo comum é a luta pelo direito à cidade, pela capacidade da classe trabalhadora em definir que modelo de cidade nós queremos.

A falta de acesso ao transporte e a situação precária da mobilidade urbana são reflexo da lógica privada no setor, tratado como mercadoria que se torna excludente pela tarifa. A mesma lógica privada rege o uso do solo e desenvolvimento, onde o interesse da especulação imobiliária e de enormes projetos privados se sobrepõem ao uso público dos espaços, acabando com as áreas públicas e verdes, além de excluir a população pobre das áreas próximas aos locais de trabalho e serviços públicos.

Neste momento, onde a cidade sofre sérios ataques por parte das concessões do prefeito César Souza Jr. a empreiteiras, empresas imobiliárias, além das licitações para transporte público, é de extrema urgência o fortalecimento de lutas que resistam a esses ataques. A Frente de Luta pelo Transporte Público está junto na luta pela Ponta do Coral por entender que todas as pessoas devem usufruir da cidade que vivemos. O projeto privado da construtora Hantei, um hotel de luxo com 18 andares, é elitista e excludente. Ele trará um grave aumento de fluxo de carros na região, que já está diariamente engarrafada, além de causar danos ambientais, paisagísticos e sociais, atacando o patrimônio cultural representado pelos pescadores do local.

Por isso, convidamos todas e todos que são solidários e lutam por uma vida sem catracas a se somar na luta do Movimento Ponta do Coral 100% Pública. A próxima atividade é no domingo, Dia Internacional da Mulher, onde a Ponta do Coral será ocupada a partir das 15h com picnic LGBT, apresentações musicais, oficinas e exibição de filmes. Todo mundo lá!

Frente de Luta pelo Transporte Público,
Março de 2015


A militância que não se cala

A polêmica ideia de levantar um imponente prédio de 18 andares na Ponta do Coral, área central de Florianópolis, tem um movimento social cada mais forte apresentando os seus contrapontos. O Movimento Ponta do Coral 100% Pública, unido a diversos outros representantes do movimento social de Florianópolis e entidades civis, propõe uma utilização social e menos agressiva à natureza desse nobre espaço da nossa Ilha, que é a Ponta do Coral.

Nesta entrevista, entenda os principais questionamentos do movimento que há mais de 30 anos milita nesta causa e que neste ano precisou se mobilizar com mais frequência por meio de manifestações, atos e eventos visando alertar a população a respeito das má condução do poder executivo da Capital.

>>> A ENTREVISTA <<<

✔ Qual foi o estopim da mobilização em defesa da Ponta do Coral?

A luta começou há cerca de 30 anos, quando a área foi vendida, de forma ilegal, pelo então governador Jorge Bornhausen, com a desculpa de comprar um terreno para a Fucabem, o que nunca ocorreu. Estudantes, moradores, pescadores artesanais e o conjunto da população se manifestam contrários ao uso privado e abusivo pretendido. Nos últimos anos, especialmente após a divulgação dos planos da Hantei Engenharia de construir um megaempreendimento hoteleiro, o Movimento Ponta do Coral 100% Pública tem realizado vários atos e campanhas pela utilização pública e cultural desta área e tem recebido enorme apoio. Obtivemos mais de 17.500 assinaturas no abaixo-assinado virtual pela defesa da Ponta do Coral 100% pública.

✔ Qual o impacto que o movimento acredita ter conseguido através dos atos já realizados?

A cada ato, seja no local ou em outros pontos críticos da cidade como a Câmara de Vereadores, Prefeitura e a FATMA, o movimento se fortalece e ganha apoio da população que passa a enxergar as irregularidades e absurdos constantes no processo de aprovação do hotel e também a importância de proteção e revitalização desse canto espetacular e abandonado da cidade.

Cada pessoa que consegue ter acesso à Ponta do Coral – o que muitas vezes só ocorre durante os eventos dado o abandono atual proposital da área – sai maravilhada e conquistada pela ideia de criação de um parque onde se pudesse observar todos os dias aquele pôr-do-sol maravilhoso e o cenário bucólico da pesca artesanal que ocorre nos ricos arredores do manguezal do Itacorubi.

Depois do ato Enterro dos Ossos, estivemos na Câmara, pressionando os vereadores a votarem uma proposição dos vereadores Lino Peres e Josemir Cunha requerendo que o prefeito revogue o decreto ilegal, que ele publicou poucos dias após a aprovação do novo Plano Diretor. O requerimento também aprovou a ida do Procurador do Município à tribuna para dar explicações acerca da ilegalidade do ato do prefeito. Em uma votação apertada (10×9), entre manifestações contundentes, fomos vitoriosos. Agora o prefeito tem cerca de 10 dias improrrogáveis para responder e o Procurador 30 dias para ir à Câmara. Com certeza, nesta data, estaremos todos lá.

Outro ato foi o de protocolo de uma carta ao prefeito exigindo a revogação do decreto. A recepção da população que passava pelas proximidades da prefeitura naquele momento foi excelente. A grande maioria mostrou-se indignada com a ação do César Souza Jr.

Neste domingo do 8 de março, tivemos um evento múltiplo. O Movimento Ponta do Coral 100% Pública, entendendo a importância da luta pela igualdade de direitos, pelo reconhecimento e respeito das diversidades, pelo fim da violência contra as mulheres e homossexuais, acolheu Movimentos de Mulheres, Grupo Acontece – Arte e Política – LGBT, Frente Parlamentar Contra a Violência Contra a Mulher, Cine Amarildo, artistas, ciclistas, brincantes, músicos, para atividades como piqueniques, oficinas, rodas de música, jogos, conversas, fazendo cumprir a função social daquele espaço maravilhoso, que tem ficado desapercebido.

Como a prefeitura, de forma irresponsável e ilegal, abandonou a Ponta do Coral, demos continuidade à limpeza da área já partir das 10 horas da manhã.

✔ Outros protestos estão previstos? Para quando?

No final de semana do aniversário da cidade faremos um grande ato, onde além das atividades culturais, daremos continuidade a coleta de assinaturas pela criação do Parque e apresentaremos nossas propostas.

✔ Os pescadores que moram nas cercanias, estão de que lado?

Historicamente os pescadores tem sido preteridos nessa cidade. Muitas vezes a especulação imobiliária os tem cooptado através de valores irrisórios em dinheiro. Conhecemos muitos casos em que as famílias foram expulsas de sua região de origem e se instalaram nas periferias das cidades da Grande Florianópolis. Locais que não mais possibilitam a prática da pesca. Muitos estão empobrecidos e com sua auto estima abalada. Não sabemos exatamente o que aconteceu com cada pescador, que tirava seu sustento na Ponta do Coral, mas temos certeza que foram expulsos pela falta de condições e de estímulo. Os que bravamente permaneceram ali, tem sido diariamente assediados pela ideia do Parque.

Temos também os pescadores da Ponta do Goulart, uma das três Pontas, que conformam a proposta do Parque, formam a maior colônia de pescadores registrados de Florianópolis. Estes têm plena consciência do quanto seria prejudicial um edifício naquele local. Têm declarado apoio e colaborado com a proposta do Movimento.

✔Explique a ideia do Projeto Parque Cultural das 3Pontas. Resumidamente, o que o projeto prevê?

O parque visa a conservação ambiental e cultural das 3 pontas: Coral, Lessa e Goulart, únicas áreas naturais remanescentes da antiga formação geomorfológica da Baía Norte, cortadas pela Avenida Beira Mar no final da década de 1970.

Para tal, a totalidade da área da Ponta do Coral teria que ser transformada em uma Área Pública Não Edificante e uma Área Verde de Lazer, por meio da alteração de seu zoneamento no Plano Diretor.

O objetivo é garantir o uso público e adequado da região e da Baía Norte, fomentando um turismo de alta qualidade, que permita a interação entre a população e os visitantes com a natureza.

Outro objetivo do parque é a geração de trabalho e renda para a população e economia local, nos setores da pesca artesanal – três comunidades pesqueiras cercam a área. O uso e ocupação do solo do entorno seria revisto e seguiria na mesma linha.

Tudo isto poderia ser alcançado com a valorização da área através de uma manutenção adequada, de uma rede de mobilidade e acessibilidade entre as três Pontas e da revitalização da orla com a construção de passarelas, passeios, deques, ciclovias e caminhos, garantindo acesso às áreas.

✔ Existem representantes ou órgãos do poder público que estão ao lado do movimento?

Sim, apenas para citar alguns: o IPHAN, órgão responsável pelo Patrimônio Nacional, em dois pareceres (141/11 e 066/12), assinalou a importância histórica e atual da Ponta do Coral e que não deveria ser ocupada por empreendimentos, garantindo o espaço como livre e público. O segundo documento foi assinado pelo arquiteto Dalmo Vieira Filho, que na época era superintende da autarquia federal em Santa Catarina e hoje, acumulando as pastas do IPUF e SMDU, acaba de aprovar o Hotel de 18 andares na Ponta do Coral, contrariando o seu próprio posicionamento institucional anterior.

O ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente e responsável pelas Unidades de Conservação Federais, emitiu parecer contra o empreendimento de hotel da Hantei. Em seu documento, destaca que a Ponta do Coral fica na Zona de Amortecimento da Estação Ecológica de Carijós, bem como do Parque Municipal do Manguezal do Itacorubi.

>>>Movimentos sociais e a população <<<

✔ Qual a maior dificuldade dos movimentos sociais? Seria a interlocução com a população?

Dentre as dificuldades, podemos citar a parcialidade da grande imprensa, que acaba por influenciar parte da população, que não enxerga toda a situação já citada nesta entrevista.

A verdade é que a mídia tem sido cada vez mais autoritária, nada plural nem democrática. Com esse instrumento poderoso, fica difícil se contrapor ao governo municipal e seus parceiros empresários.

Mas nos sentimos vitoriosos, porque mesmo nessa conjuntura temos conseguido ampliar o movimento e ter algumas batalhas ganhas, como o apoio da SPU (Superintendência do Patrimônio da União), dos Ministérios Públicos Federal e Estadual, de órgãos Públicos e alguns vereadores. Vale dizer que vários vereadores estão entendendo as ilegalidades envolvidas nos decretos do prefeito em 2014 e do governador Bornhausen em 1980.

Outro problema é o sistema judiciário, que na maioria das vezes representa interesses privados. Enquanto eles não precisarem explicar ao público suas ações, suas decisões, teremos dificuldade de ganhar as batalhas. Mas é justamente nessa direção que estamos investindo, quando acionamos os Ministérios Públicos e esclarecemos à população da real intenção do governo municipal e estadual. O juiz tem que primar pela independência, para poder julgar de forma ética. Já tivemos sucesso também nesse quesito em um dos processos julgados pelo juiz Marcelo Krás.

Um desafio difícil de ser superado é a prevalência nos órgãos públicos de “cargos de confiança” na maioria das vezes políticos. Estes “gestores” não têm conhecimento e sensibilidade técnica para tratar de questões essenciais ao bem estar da população, causando enormes danos que acabam sendo o foco da luta incessante dos movimentos.

✔ E a população está interessada na atuação dos movimentos sociais?

As lutas dos movimentos sociais têm se aproximado cada vez mais da população e tem sido reconhecida por ela. Temos presenciado apoio explícito não somente ao Movimento Ponta do Coral 100% Pública, mas a outros como na área da saúde e do transporte.

Vale levantar que esses movimentos são compostos por uma parcela da população, portanto acreditamos na legitimidade deles.

Por Nícolas David, que não quer se calar e nem calar a militância.


Entre pontes e pontas, corais

IMG_5770É, teve dia internacional das mulheres na Ponta do Coral. Bem como a gente quer: gentes, muitas cores, diversidade. Conversa, piquenique, pôr do sol, estrela, bicicletas, chuva, e a lista segue, desordenada mas firme, com trabalho, capina, foices. Algumas canções. Presença de mulheres homens de todos os jeitos, bandeira, faixas, danças circulares, crianças. Quando propomos para este espaço público uma área de lazer queremos isto: um lugar de sociabilidade, de repouso, de ensimesmamento, capaz de – no meio da cidade – provocar distanciamento, descentramento, relaxamento, estas coisas fundamentais para a “qualidade de vida” – esta consigna tão hipocritamente proclamada pelos vendilhões da cidade, nos últimos tempos.

A Ponta do Coral neste momento da história da cidade não é somente uma luta em defesa da última área verde da parte central da cidade (o que por si só já valeria cada gota do nosso suor) mas é também o esforço de criar ali um experimento, uma forma diversa de viver a cidade. Está também em jogo uma categoria importantíssima da classe trabalhadora da história da cidade: os pescadores e as pescadoras.Com isto, além da luta por uma área de LAZER, busca-se também a manutenção de um espaço de trabalho. A ponta do Coral faz parte do ecossistema que ainda hoje, apesar de tudo, garante a vida de mais de 60 famílias de pescadores: o Bairro João Paulo abriga hoje, ainda a segunda maior comunidade pesca da cidade. É todo um modo de vida – do qual o trabalho no mar é parte crucial – que está em jogo, aqui. A luta pela Ponta do Coral 100% pública e Parque Cultural das Três Pontas é também um esforço para garantir a permanência e a reprodução do modo de vida e de trabalho da pesca artesanal, que resiste bravamente, tendo como principais inimigos a pesca industrial e o avanço sem limites da “turma do concreto”   sobre seus territórios de trabalho e de vida. Este modo de vida – onde trabalho não é apenas um emprego, mas também uma forma de imprimir uma marca no mundo, humanizando-o – sofre ataques diretos da especulação imobiliária, da indústria do turismo e da pesca industrial. Tem ainda, como inimigos, a atual prefeitura e até mesmo a FATMA, que ao invés de zelar pelo meio ambiente, age de forma irresponsável, afrontando consensos científicos e acordos internacionais (não sem o desacordo de muitos de seus técnicos, não sem o rechaço da população – mas com o apoio escandaloso dos meios de comunicação).

Por isto, além de afirmar o caráter público da Ponta do Coral, o movimento quer também proteger toda a área que envolve as Três pontas, incluindo as águas da baía norte, o mangue do Itacorubi, a Ponta do Lessa e a do Goulart. Ao propor um parque CULTURAL para a área, o movimento se reporta ao sentido antropológico da expressão: cultura como modo de vida, não como folclore, peça de museu, troféu, título honorário, prêmio – estas hipocrisias que tem se multiplicado na cidade na razão inversa com que a cultura mesma – incluindo aí as pessoas – são eliminadas). Cultura como modo de vida pleno, dinâmico, aberto para a troca e para a criação, mas troca horizontal, democrática; criação protagonizada pelas maiorias, mirando o futuro com a responsabilidade de quem sabe que os recursos naturais – e os humanos – são preciosos.   Por isto, a luta pela Ponta do Coral assume, hoje, especial importância, nesta cidade golpeada e triste, pelos feitos de César e os que o antecederam nas últimas décadas. Ela não é a única no combate à cidade de mercado, cidade vendida, mas se apresenta como um sinal de que há um iceberg submerso, disposto a reaparecer. É isto – as gentes – que fazem do município, a cidade; de uma cidade, a pólis; da pólis, um lugar de encontro; dos encontros, a construção de uma outra sociedade (alter-cidade). Floripa possível, viável, alternativa – se insinuando – se impondo? – entre as pontas, entre os corais…

Carmen Susana Fava Tornquist


Parque Cultural das 3 Pontas 2015-03-05 13:41:49

A PONTA DO CORAL É PARA TOD@S!

BambolesEste domingo, Dia Internacional da Mulher, será marcado por várias atividades na Ponta do Coral – picnic, oficinas, cinema, bicicletada, conversas, música, jogos…

Movimentos de Mulheres, Grupo Acontece – Arte e Política – LGBT, Frente Parlamentar Contra a Violência Contra a Mulher, Cine Amarildo, artistas, ciclistas, brincantes, gentes comuns estaremos todos ocupando a Ponta e fazendo cumprir a função social daquele espaço maravilhoso e que tem passado desapercebido por muitos.

Entendendo a importância da luta pela igualdade de direitos, pelo reconhecimento e respeito das diversidades, pelo fim da violência contra as mulheres e homossexuais, o Movimento Ponta do Coral 100% Pública, neste domingo, a partir das 15 horas, acolhe a todas e todos e convida a população em geral para participar desse dia de ocupação de um espaço que é público de direito.

CONVIDE SEUS AMIGOS, FAMILIARES…
TRAGA SEU LANCHINHO, SUA BICICLETA, SUA PANDORGA, SEU VIOLÃO…
VENHA CONHECER A PONTA E NOSSA PROPOSTA DE PARQUE PARA O ÚNICO ESPAÇO ABERTO QUE SOBROU NA REGIÃO.

Como a prefeitura, de forma irresponsável e ilegal, abandonou a Ponta do Coral, estaremos dando continuidade à limpeza a partir das 10 horas da manhã. Todos estão convidados! Tragam suas ferramentas!

Saiba mais