Primeira Reunião de 2019 do Movimento Ponta do Coral 100% Pública

Marcamos a nossa primeira reunião de 2019! Será nesta segunda, dia 18/03/19, às 19:30 no Tarrafa Hacker Clube*, que fica pavilhinho do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC.

Venha participar desta mobilização pela criação do Parque Cultural das 3 Pontas, um parque para tod@s, unindo a Ponta do Coral, Ponta do Goulart e Ponta do Lessa e ajudar a planejar as atividades deste ano, que promete ser de muita luta!

Vem com a gente! Pelo Direito à Cidade e o Parque Cultural das 3 Pontas!
Ponta do Coral: Área Verde de Lazer (AVL) Já!

Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/1983880685054677/

* O Tarrafa é um Espaço Hacker, um laboratório comunitário onde pessoas com interesses em comum, frequentemente em tecnologia, ciência, arte digital e eletrônica, política, matemática, biologia, arquitetura, segurança, e qualquer área do conhecimento humano, podem se encontrar, compartilhar conhecimentos e colaborar em projetos conjuntos. Agradecemos o pessoal por cederem o espaço para realização de nossa reunião!

Reunião de encerramento de 2018

Já temos marcada a nossa última reunião de 2018! Será nesta terça, dia 18/12/18, às 19:30 no pavilhinho do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da UFSC.

Venha participar desta luta pela criação do Parque Cultural das 3 Pontas, um parque para tod@s, unindo a Ponta do Coral, Ponta do Goulart e Ponta do Lessa!

Toda a ajuda é necessária, neste momento onde as forças da especulação imobiliária estão com tudo!

Vem com a gente! Pelo Direito à Cidade e o Parque Cultural das 3 Pontas!
Ponta do Coral: Área Verde de Lazer (AVL) Já!

Reunião ampliada na câmara sobre a Marina nesta sexta 14/12

Nesta sexta-feira tem reunião ampliada às 14h na câmara de vereadores e o assunto é o projeto da Marina na beira-mar norte.

Os pescadores estão organizados e preocupados com os impactos ambientais que serão causados pela obra, afetando diretamente a pesca e consequentemente a sobrevivência de suas famílias e da cultura da pesca artesanal.

Mas não serão somente os pescadores os atingidos, toda a população que vive a cidade será afetada pelos impactos ambientais, paisagísticos e de mobilidade urbana desta “Megalo-Marina”.

Por isto os pescadores estão precisando de apoio nesta reunião. Quanto mais a sociedade como um todo se engajar nesta causa, maior será pressão popular e consequentemente a prefeitura terá que fazer um debate sério sobre este projeto que está sendo empurrado guela abaixo da população sem qualquer discussão.

Compareça e ajude a divulgar!

Pela gestão do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho pelos Quilombolas da Vidal Martins

Divulgando e apoiando a importante luta dos quilombolas de Florianópolis!

A gestão do Camping do Parque Estadual do Rio Vermelho deve, por direito,
estar nas mãos do Quilombo Vidal Martins. ✊🏿

Em acordo com Ministério Público Federal, após a finalização do tempo do
contrato feito com a empresa que administrou o Camping do Parque do Rio
Vermelho até o final de 2017, a gestão seria feita pelos quilombolas da
Vidal Martins. Porém, este acordo está quase por não ser cumprido, pois
agora estão propondo fazer licitações para que nova empresa cumpra essa
função.

A gestão do camping do Parque do Rio Vermelho seria muito bem realizada
pelos quilombolas, esses que são parte desse território a gerações, tem um
conhecimento tradicional da mata e seu uso consciente. Eles se dedicariam
com todo seu amor para cuidar desse espaço que faz parte de sua história.

Por isso, nada mais justo que eles possam ter a administração do camping
como fonte de renda.

Informamos que essa situação não tem qualquer relação com uma suposta
ocupação dos quilombolas no Parque Estadual. Apesar de ser seu direto viver
nas terras que sempre foram suas, essa luta continua em trâmite em
instância federal.

Tendo em vista essas informações convidamos todas e todos para cobrar o
cumprimento do acordo feito com a MPF na audiência dessa sexta-feira, 7 de
dezembro, 15h, no Ministério Público Federal.

Dia? Sexta-feira (07/12)
Hora? 15h
Onde? MPF (na beira-mar, ao lado da OAB)

Manifestação dos Pescadores contra a Megalo-Marina

Neste sábado dia 01/12 os pescadores e pescadoras do João Paulo, segunda maior colônia de pesca de Florianópolis, fizeram uma manifestação contra a construção da Marina na beira-mar norte. Eles estão preocupados com os impactos ambientais que serão causados pela obra e pelo aumento na quantidade de embarcações motorizadas que passarão a circular pela baia, afetando diretamente a pesca e consequentemente a sobrevivência de suas famílias e da cultura da pesca artesanal.

Por volta das 10h mais de 15 barcos de pesca passaram pelo trapiche em direção a ponte, buzinando e levando faixas com dizeres como “Pesca gera renda”, “O Turismo tem que manter a cultura local” e “Preservar o Meio Ambiente”. Na volta do trajeto, os pescadores se juntaram com apoiadores que aguardavam no trapiche, levando as faixas para os semáforos na beira-mar para mostrar seu descontentamento para a população, recebendo em troca buzinaços em apoio a causa.

Nós do Movimento Ponta do Coral 100% Pública estivemos lá apoiando, pois entendemos que a luta contra esta verdadeira “Megalo-Marina” é de todos, pois quem vive a cidade será profundamente afetado pelos impactos ambientais, paisagísticos e de mobilidade urbana que esta obra trará se concretizada. Também nos colocamos contra a obra pois não está sendo feito nenhum debate profundo com a sociedade como um todo (mais detalhes em nossa nota pública).

 

 

mais de 35 anos o Movimento Ponta do Coral 100% Pública vem lutando para que a Ponta do Coral resista aos interesses poderosos do setor imobiliário especulativo, batalhando pela criação do Parque Cultural das 3 Pontas que uniria a Ponta do Coral, Ponta do Goulart e Ponta do Lessa. Mais do que por uma região, lutamos por um modelo de cidade verdadeiramente democrático e que concilie o crescimento populacional e urbano com aspectos ambientais, culturais, antropológicos, históricos e sociais.
Não a Megalo-Marina!
Em defesa dos pescadores!
Em defesa da saúde das Baías!
Pelo Parque Cultural das 3 Pontas!

 

 

 

Não a Megalo-Marina, em defesa dos pescadores e do Parque Cultural das 3 Pontas!

 
No dia 24/09/2018 a Câmara de Vereadores autorizou a cessão por 30 anos de uma área pública de 350 mil metros quadrados para a construção de uma Marina na Beira-mar Norte. Para dar uma aparência de “legitimidade popular” a bancada da situação fez uma audiência pública no dia 19/09, poucos dias antes da votação e em horário comercial, para “debater” um projeto que se concretizado afetará a vida de tod@s e alterará profundamente o meio ambiente e a paisagem da cidade.

O projeto desta Marina prevê vagas para 684 embarcações (624 privadas e 60 públicas), sendo que serão necessárias 624 vagas para estacionamento de veículos. A ideia é construir um enorme estacionamento subterrâneo localizado entre o trapiche e o pequeno prédio da Casan. Este estacionamento vai trazer um grande fluxo de carros para um dos locais mais congestionados da Ilha segundo o Plamus (Plano de Mobilidade Urbana Sustentável da Grande Florianópolis), em uma das cidades que mais sofrem com a mobilidade urbana no país. Aspecto que foi totalmente ignorado tanto pelo corpo técnico que avaliou o projeto, quanto pelos vereadores que o aprovaram. Não podemos também deixar de mencionar o nível de poluentes produzidos por carros na Beira-mar norte.

Além dos problemas com a mobilidade urbana e a poluição dos veículos, temos ainda a dragagem, processo que visa escavar o fundo do mar, ampliando sua profundidade para permitir que as embarcações se desloquem sem encalhar. Será necessário retirar uma imensa quantidade de solo do mar, fazendo com que substâncias tóxicas presentes nesta lama voltem para a água, atingindo a biodiversidade e a saúde do ecossistema. Sem falar no aumento do trânsito de embarcações, óleo e ruído no mar. A pesca será prejudicada, e animais filtradores como as ostras poderão acumular as substâncias tóxicas desta atividade, refletindo na maricultura, importante atividade econômica da qual dependem centenas de famílias.

Pelos motivos expostos dizemos não ao projeto desta “Megalo-Marina”! Nos colocamos lado a lado com o pescadores da Associação de Pescadores do João Paulo (segunda maior colônia de pescadores artesanais de Florianópolis) que neste sábado,