Chá de panela de acolhimento aos imigrantes venezuelanos

A *Cáritas Brasileira Regional Santa Catarina* estará acolhendo em breve cerca de 200 imigrantes venezuelanos em situação de extrema vulnerabilidade. Essas famílias – que atualmente estão em uma difícil situação na região da fronteira – serão abrigadas em 17 casas-lares na região da Grande Florianópolis. Essa iniciativa humanitária está acontecendo em outras 6 regiões do Brasil e faz parte do *Projeto Pana*, fruto da cooperação entre a Cáritas Brasileira e a Cáritas Suíça. Na língua dos Warao, etnia indígena do território venezuelano, pana quer dizer amigo/a, parceiro/a.

Além dos abrigos, o Projeto Pana prevê a instalação da *Casa de Direitos*, um ponto de referência que receberá essas famílias e o público em geral para acolhimento psicossocial, promovendo atividades abertas que fortaleçam os direitos humanos e a cidadania em nossa região. Gostaríamos de convidar você para conhecer esse espaço coletivo e também o Projeto Pana. A inauguração da Casa de Direitos será no dia *09 de novembro*, das 17 às 20 horas, na Rua Deputado Antônio Edu Vieira, 1524 – Bairro Pantanal, Florianópolis. Às *19h* faremos uma apresentação do Projeto e durante todo o evento estaremos cadastrando voluntárias/os que queiram colaborar com o projeto.

Nós precisamos equipar as 17 casas-lares e para isso contamos também com a sua solidariedade e apoio. Por isso, nossa inauguração será também um *Chá de Panela* para nossos panas venezuelanos que irão chegar em breve! Estaremos recebendo nesse dia doações de utensílios domésticos, como pratos, copos, canecas, talheres, vassouras, baldes, panos de prato, rodos, cestas de lixo e outros itens de casa – usados ou novos – que você queira e possa doar.

Venham conhecer a casa e conversar com a gente (e chamem seus panas também!). Contamos com a sua presença 🙃

*O que?* Chá de Panela Solidário e Inauguração da Casa de Direitos
*Onde?* Rua Deputado Antônio Edu Vieira, 1524 – Pantanal, Floripa
*Quando?* 09/11/2018, das 17:00 às 20:00
*O que levar?* Utensílios domésticos e sua solidariedade 🤝

I Colóquio Pesquisa e Anarquismo, em Floripa

Apresentação

O anarquismo e suas diferentes manifestações políticas, filosóficas, históricas e práticas têm sido objeto de estudos nas universidades brasileiras desde meados da década de 1970. A partir deste período brasilianistas e marxistas escreveram sobre as origens da organização sindical no Brasil com base nos materiais compilados por militantes anarquistas que, após a morte de Edgard Leuenroth, responsável pela guarda e conservação de um arquivo coletivo, deu origem ao Arquivo Edgard Leuenroth da Unicamp (Campinas/SP).

Com o passar dos anos houve a ampliação dos programas de pós-graduação e um crescimento no interesse por esse tema, originando uma gama de TCCs, dissertações de mestrado e teses de doutorado. Esse movimento fez com que as perspectivas em relação ao papel dos anarquistas na história fossem revistas e erros ou omissões pudessem ser questionados com base em novas abordagens e fontes que se tornaram acessíveis.

Nota-se então o surgimento de muitos trabalhos científicos nas mais variadas áreas do conhecimento que renovam o pensamento no seu campo e arejam as estruturas acadêmicas, muitas vezes paralisadas pelo comodismo intelectual, pressionadas pela produtividade da universidade capitalista e viciadas pelas disputas pessoais e teóricas que engessam as possibilidades de produzir avanços e reflexões críticas e de qualidade.

Todas essas causas de paralisia também engendram obstáculos institucionais para essas pesquisas. Estudantes e pesquisadores se veem muitas vezes desestimulados (ou até mesmo tolhidos) para seguir com seus projetos. Vemos se reproduzir nos ambientes universitários alguns mecanismos recorrentes que podem resultar em isolamento, falta de apoio e embates com professores e/ou orientadores que, em alguns casos, levam à desistência dos estudos.

Estes problemas são, até certo ponto, inevitáveis e alheios à nossa ação; e, de qualquer forma, o embate saudável de ideias pode significar uma oportunidade para o avanço da pesquisa, mas torna-se necessário um esforço maior para garantir visibilidade a estudos como os apresentados aqui. Assim, propomos a realização do “I Colóquio Pesquisa e Anarquismo: Perspectivas em Debate” com o objetivo central de possibilitar uma aproximação de pesquisadoras/es que têm como o tema o anarquismo ou que partem de teorias ou práticas anarquistas para embasar suas produções acadêmicas. O colóquio visa garantir espaço para a apresentação de trabalhos concluídos ou em desenvolvimento, a troca de experiências, divulgação de novos estudos, socialização de fontes de pesquisa, exposição de grupos de pesquisa, editoras, livros, revistas e arquivos*, e a participação de interessados no anarquismo, militantes, e apoiadores destas pesquisas no ambiente acadêmico ou fora dele.

A aproximação e a solidariedade entre pesquisadoras/es do anarquismo é importante para evitar a evasão e os prejuízos para a continuidade de novos estudos. Nesse sentido, decidimos propor a realização de um evento gratuito, aberto ao público em geral, e em uma cidade que já foi palco do Encontro de Cultura Libertária (2000) e que por muitos anos abrigou, na UFSC, o Núcleo de Alfabetização Técnica (NAT/CEDI), de orientação libertária.

* Grupos de pesquisa, editoras, livros, revistas e arquivos: entrar em contato via email.

Objetivos

  1. Abrir espaço para que pesquisadoras/es anarquistas se conheçam e possam conhecer as pesquisas de cada um(a) em diferentes áreas.
  2. Compartilhar contatos de outras/os pesquisadoras/es, grupos de pesquisa, produções em diferentes áreas, fontes de consulta e pesquisa, editoras e publicações.

 

Estrutura do Evento

O colóquio contará com três formas de participação: palestrantes convidados, pesquisadores com apresentação de trabalho e público em geral. O evento também possibilitará a realização de atividades culturais.

Público-alvo

O evento contempla como público alvo em primeiro lugar pesquisadoras/es em nível de graduação e pós-graduação das mais diversas áreas do conhecimento, bem
como professoras/es e estudantes do ensino fundamental e médio, além de trabalhadoras/es interessadas/os no tema.


PARTICIPAÇÃO ABERTA AO PÚBLICO EM GERAL

INSCRIÇÕES GRATUITAS

PROGRAMAÇÃO COMPLETA

Pronunciamento, um ano depois. Por Vladimir Safatle

‘Lei não é feita para bandido, o Brasil ama a ordem e o progresso’

“Brasileiros amantes da pátria, venho a público em cadeia nacional, um ano após nossa grande vitória nas eleições de 2018, para anunciar medidas que nosso governo tomará contra o grave momento por que passamos. As forças subversivas que lutam dentro de nosso país contra os interesses supremos da pátria, aliados ao comunismo internacional, se voltaram contra as reformas que implementamos neste ano de 2019, semeando mentiras, cizânias e fake news entre o povo.

Quando flexibilizamos as leis de trabalho para garantir que os empresários voltassem a empregar mais, tirando entulhos que eles chamavam de ‘direitos’, esses delinquentes foram capazes de sorrateiramente convencer gente ingênua de que nós estávamos apenas governando para os ricos. Porra, quando eu falei que era melhor ter menos direitos e emprego do que mais direitos e desemprego parece que teve gente que não entendeu. O cara fica sonhando com férias, 13º, acordo coletivo, mas ninguém queria contratar.

Então a gente liberou e os empregos apareceram, tá OK?

Aí veio essa gente dizendo que os salários desses empregos eram muito mais baixos e sem garantias, que minha política era responsável por deixar os pobres ainda mais pobres, mesmo trabalhando mais e em condições piores, enquanto diminuía os impostos dos ricos. Eu botei uma alíquota única para o imposto de renda, 20% para todo mundo, e teve gente que ainda reclamou que os mais pobres perderam sua isenção fiscal. Mas todo mundo tem que colaborar. Todo mundo tem que pensar no Brasil.

Só que esse pessoal se aproveitou para criar aquela balbúrdia que vocês viram. O governo não ia deixar o país parar por causa daquelas greves e manifestações na rua. Mandei mesmo a polícia intervir. Fazer o que se aqueles vermelhos foram para cima das forças da ordem e elas reagiram? Porra, vocês acham o quê? Se teve 14 mortes, paciência. Esse país não vai virar uma Venezuela.

Depois, veio uma ONG estrangeira, dessa gente que fica comparando o Brasil às Filipinas e à Turquia, para dizer que o aumento da violência neste ano foi gerado pelo aumento da desigualdade e pela concentração de renda que meu governo teria produzido. Conversa. Violência é coisa de bandido, chega de passar a mão na cabeça de malandro. Só que esse pessoal ainda fica rodando o mundo com as cenas daqueles dois garotos que entraram em uma escola de elite de São Paulo e metralharam 25.

O que isso tem a ver com a liberação do porte de armas que fizemos no meu governo? Tudo isso é coisa de gente mal intencionada, tá OK? Hoje, os professores andam armados e estão mais seguros. Por isso, mandei essas ONGs para fora do país e aprovamos uma Lei da Informação verdadeira. Quem mentir dançou. Cadeia.

Agora, tem gente de novo na rua dizendo que eu não estou nem aí com a saúde pública, que está tudo sucateado e o povo apodrece em fila de hospital porque não aumentei os recursos para o SUS. Eu tinha dito que não ia aumentar mesmo, que não precisava disso. Mas aqueles médicos cubanos vieram com essa história de terem que tirar dinheiro do próprio bolso para comprar medicamentos para os pacientes. É coisa de cubano.

Juntou esse povo com os estudantes riquinhos que perderam sua mamata porque as universidades públicas agora são pagas e cortamos a verba desse pessoal que tinha fetiche de diploma. Aquilo era só doutrinação comunista e gayzista, ninguém vai sentir falta dos 5.000 professores que botamos para fora porque só faziam doutrinação.

Os pais têm que se preocupar com o ensino fundamental. Universidade para quê? O que falta é educação moral e cívica. Agora, se não tem gente que quer ser professor de ensino fundamental porque as tais condições de trabalho são ruins, paciência. Vamos fazer tudo a distância. E não venha falar em queda de qualidade. Esse pessoal gostava mesmo era da época em que o governo distribuía kit gay para nossas crianças.

Por tudo isso, eu e meu vice, o general Mourão, estamos decretando estado de exceção para limpar de uma vez por todas este país dessa escória e garantir o crescimento, a prosperidade e a paz social. Lei não é feita para bandido. O Brasil ama a ordem e o progresso. Boa noite.”

FOLHA DE SP, 05.1O.18
Por Vladimir Safatle – Filósofo

Roda de conversa: Participação para além das eleições, 4 de Outubro

Será que estamos aproveitando todo o potencial de participação nos rumos da
sociedade? Será que existem outras formas de organização mais justas do que
a democracia representativa? Se quiser saber mais – ou simplesmente quer
bater papo – sobre o assunto, participe da Roda de conversa: “Participação
para além das eleições” no Tralharia no dia 4 de outubro. Sim, em uma semana mais do que
apropriada, na semana das eleições 2018.

A proposta do evento é debater outros sistemas participativos de
organização além da democracia representativa. Fui convidado para organizar
e convidei o sociólogo Leo Vinícius, que vai falar sobre os paradigmas do
movimento Curdo no Oriente Médio, a pesquisadora Ana Soares, que vai
abordar a organização do movimento indígena Zapatista no México, e o
professor, pesquisador e ativista de Mídia Independente, Cazé, para debater
sobre o anarquismo como prática popular para além do reformismo. Eu
vou falar sobre experiências de Democracia Líquida e as possibilidades que
a tecnologia oferece a participação social na política.

O encontro é aberto e será realizado às 19h do dia 4 de Outubro, no
Tralharia, um antiquário, café
e bar no Centro Histórico de Floripa que promove atividades culturais como
exposições, leituras coletivas e encontros diversos.

O “Tralha” completa três anos de abertura em outubro, e além das habituais
exposições, leituras coletivas e encontros diversos, está promovendo uma
uma programação muito especial no mês de aniversário.

Estão todos convidados!

TODO CÉREBRO É UMA EMISSORA
Thiago Skárnio [http://skarnio.tv]

29/09 Ele não! Todo mundo na rua contra o Fascismo!

Sábado, dia 29/09 todo mundo na rua! Floripa, 15h – Largo da Alfândega, haverão atos em diversas cidades! Quem vota e quem não vota, Tod@s nas ruas contra a representação nas urnas da homofobia, machismo, ignorância, ódio contra os pobres, veneração de torturadores e da ditadura. Arte de @aycamela #mulherescontrabolsonaro #elenão #elenunca #nãoaofascismo #podrespoderes

 

“Enquanto os homens exercem
Seus podres poderes
Índios e padres e bichas
Negros e mulheres
E adolescentes
Fazem o carnaval

Queria querer cantar afinado com eles
Silenciar em respeito ao seu transe num êxtase
Ser indecente
Mas tudo é muito mau

Ou então cada paisano e cada capataz
Com sua burrice fará jorrar sangue demais
Nos pantanais, nas cidades
Caatingas e nos gerais” (Caetano Veloso, Podres Poderes).

 

ATOS EM DIVERSAS CIDADES E ESTADOS

ALAGOAS
Maceió – 15h – Praça Centenário

AMAZONAS
Manaus – 17 – Largo São Francisco

BAHIA
Salvador – 14h – Largo do Campo Grande

CEARÁ
Fortaleza – 15h – Praia dos Crush

DISTRITO FEDERAL
Brasília – 15h – Praça Índio Galdino (714sul)

ESPÍRITO SANTO
Vitória – 14h – Praça do Papa

GOIÁS
Goiânia – 15h – ?

MATO GROSSO
Cuiabá – 16h – Monumento Ulisses Guimarães

MINAS GERAIS
Belo Horizonte – 15h – Praça Sete de Setemrbo
Juiz de Fora – 11h – Praça Halfeld
Uberlândia – 14h – Praça Tubal Vilela
Itajubá – 16h – Praça do Carneiro

PARÁ
Belém – 17h – Mercado São Braz
Santarém – 17h – Praça da Matriz

PARAÍBA
João Pessoa – 15h – Praça da Paz

RIO DE JANEIRO
Rio de Janeiro – 15h – Cinelândia
Petrópolis – 17h – Praça Dom Pedro
Niterói – 14h – CCR Barcas
Campos – 15h – Praça São Salvador
Macaé – 16h – Praça Veríssimo de Melo

PERNAMBUCO
Recife – 14h – Praça do Derby

RIO GRANDE DO NORTE
Natal – Midway Mall

RIO GRANDE DO SUL
Porto alegue – 15h – Redençao
Osório – 14h – Praça da Matriz
Santa Crruz do sul – 15h – Praça da Bandeira
Pelotas – 17h – Largo do Mercado Central
Caxias do Sul – 15h – Praça Dante Alliguieri
Erechim – 14h – Praça dos Bombeiros

SANTA CATARINA
Florianópolis – 15h – Largo da Alfândega
Blumenau – 15h – Praça Dr. Blumenau

SÃO PAULO
São Paulo – 13h – Largo do Batata
Ribeirão Preto – 12h – Esplanada do Teatro Pedro II
São José dos Campos – 9h – Praça Afonso Pena
Santos – 15h – Praça da Independencia
Americana – 14h – Praça Comendador Muller
Itu – 30/09 – 16h – Praça Miguel
Campinas – 17h – Largo do Rosário
Franca – 15h – Rua Major Claudiano 2235
Botucatu – 11h – Praça do Bosque

SERGIPE
Aracajú – 15h – Viaduto do dia

TOCANTINS
Palmas – 16h – Praça Povos Indígenas