🏳️‍🌈 SEMANA DO ORGULHO LGBTI+ DE FLORIANÓPOLIS, DE 25/06 A 01/07


Dia 28 de junho é o DIA INTERNACIONAL DO ORGULHO LGBTI+ e, com o objetivo de unificar a agenda dos eventos temáticos que ocorrerão em Florianópolis, fortalecer a divulgação e incentivar a participação de todos, criamos esta agenda unificada!

PROGRAMAÇÃO COMPLETA:

🌈 Terça-feira, 25/06

✨ Reunião Ampliada da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher e de Igualdade de Gênero da Câmara de Vereadores de Florianópolis sobre o Plano Municipal LGBTI+
19h | Plenarinho da Câmara (Centro)
https://www.facebook.com/events/422961705010698/?ti=as

🌈 Quarta-feira, 26/06

✨ Aula pública: Direitos e Políticas Públicas LGBTI+
12h | Escadaria da Catedral (Centro)
https://www.facebook.com/events/319593458990596/?ti=wa

✨ Chá das mina: conversa com a população de rua LGBTI+
14h | Instituto Arco-Íris (Centro)

🌈 Quinta-feira, 27/06

✨ Cinedebate: Depois do Fervo
19h | Escadaria do Rosário (Centro)
https://www.facebook.com/events/469096500304581/?ti=wa

✨ Somos ADEH: Festa de música brasileira em apoio à instituição de combate à LGBTIfobia
19h | Madalena Bar

🌈 Sexta-feira, 28/06

✨ CAMINHADA DO ORGULHO LGBTI+
Concentração: 17h | TICEN (Centro)
https://www.facebook.com/events/469603827157527/?ti=ia

✨ 50 anos de Stonewall LGBTI+ Floripa Resiste
Square Lab – Museu da Escola (Centro)
14h | Abertura
15h | Mesa: LGBTI+ no Esporte
16h | Mesa: Conselho LGBTI+ e a importância de se organizar politicamente
17h | Mesa: Orgulho e resistência: Entre Stonewall e o Brasil
18h às 22h | Apresentação de dança, circo, drag e shows musicais
https://www.facebook.com/events/606308193112572/?ti=wa

✨ Chuva de Glitter – Nosso Orgulho é só o Começo
18h30 – 22:30 | Hercílio Luz, em frente a La Kahlo Bodega
https://www.facebook.com/events/415466449056213/?ti=wa

✨ Festa: Stonewall Celebration
Discotecagem com clássicos LGBTI+
22h | Madalena Bar (Centro)

🌈 Sábado, 29/06

✨ UNAS – Movimento, Conexão e Diversidade (Evento Pago)
Mutama – Escola de Movimento e Expressão (Trindade)
10:00 – 12:00 | Workshop VOGUE DANCE
14:00 – 16:00 | Workshop TECIDO ACROBÁTICO
16:00 – 18:00 | Workshop de conscientização: música eletrônica e performance corporal
18:30 – 21:30 | Roda de conversa
14:00 – 20:00 | Flash tattoo
https://www.facebook.com/events/2364734540255106/?ti=wa

🌈 Segunda-feira, 01/07

✨ IV Seminário de Atenção Psicossocial
Simpósio sobre Psicologia, Travestilidades e Transexualidades: Compromissos ético-políticos da Despatologização
18h30 | Centro Sul (Centro)

📣 Se você souber de mais algum evento ou atividade relacionada ao ORGULHO LGBTI+ basta postar no mural do evento que incluímos aqui na descrição e ajudamos na divulgação!

✊🏼 Este evento é uma construção coletiva:
8M SC
Frente Catarinense pela Descriminalização e Legalização do Aborto
Conselho Municipal LGBT de Florianópolis
Marcha Mundial das Mulheres – MMM
IEG/UFSC
Setorial LGBT do PSOL
Núcleo Municipal LGBTI+ do PT
Aplicativo Nohs Somos
Assessoria do vereador Lino Peres
Acontece Arte e Política LGBTI+
Lambe.ai

✊🏼 Apoio:
Cineparedão UFSC
Sintufsc – Sindicato dos Trabalhadores da UFSC
Sinjusc – Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado de Santa Catarina
Sindprevs – Sindicato dos Trabalhadores em Saúde e Previdência do Serviço Público Federal em Santa Catarina
Sindsaude – Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Saúde Pública Estadual e Privado de Florianópolis e Região
Sinasefe – Sindicato Nacional dos Servidores Federais da Educação Básica, Profissional e Tecnológica

Caminhada pelos imigrantes! 25/06

No dia 03 de junho, em São José, Kerby Tingue, imigrante haitiano, pai, trabalhador e estudante do IFSC, foi assassinado. 
Kerby tinha 32 anos e chegou há 2 anos em Florianópolis, onde construiu muitos laços e trabalhou para ajudar a familia que ficou no Haiti.

A *Cáritas Brasileira Regional de Santa Catarina*, junto ao *Grupo de Apoio aos Imigrantes e Refugiados da Grande Florianópolis*, convida a todos e todas para uma caminhada pelos direitos dos/as imigrantes e em memória de *Kerby Tingue*.

Em junho é comemorada internacionalmente a *Semana do Migrante*. Em várias partes do mundo e do Brasil, a Cáritas está organizando caminhadas pelos imigrantes e, principalmente, com os imigrantes. Santa Catarina é um dos estados que mais recebe pessoas de outras regiões e países, no entanto nos faltam políticas públicas para atender a essa população, que muitas vezes acaba tendo seus direitos mais básicos violados. Não bastasse isso, aqui ainda enfrentam a xenofobia e a violência racista.
*Dia 25 de junho, caminharemos juntos/as pelo acesso aos direitos, pela memória de Kerby e em solidariedade aos seus amigos/as e familiares. O encontro será às 17h ao lado do Centro de Referência de Atendimento ao Imigrante (Rua Tenente Silveira, 225 – Centro)*

Evento no facebook: https://www.facebook.com/events/822156024830260/

Marcha contra a violência policial – 25 de abril

MARCHA CONTRA A VIOLÊNCIA POLICIAL EM DEFESA DE DIREITOS E PELA DEMOCRACIA

Desde 2016 duplicaram as mortes pela polícia em Santa Catarina. Entre janeiro de 2011 e março de 2019, 588 pessoas morreram pelas mãos da polícia militar, enquanto, no mesmo período, 4 PMs foram assassinados. Cerca de 80% das pessoas mortas pela polícia são negras, evidenciando o racismo e a seletividade das ações policiais. As populações mais atingidas pela violência das forças de segurança pública tem sido moradoras(es) de periferias urbanas, indígenas, quilombolas, imigrantes e pessoas LGBTI+.

Essa situação vem piorando no governo Bolsonaro, com a política de cortes nos benefícios sociais e o estímulo ao armamento. Em Florianópolis, sem mandado judicial, policiais fazem batidas nas comunidades, derrubam casas e agridem moradoras(es), transformando a vida de quem mais precisa de proteção do Estado em um pesadelo. As abordagens são extremamente violentas, e frequentemente configuram casos de comportamento abusivo da polícia.

Não podemos aceitar tudo isso caldas(os)!

POR ISSO, marchamos:
Pelo fim da violência policial e do abuso de poder;
Pelo direito à moradia digna e contra os ataques às ocupações urbanas;
Pelo fim do genocídio da população negra; 
Contra a guerra às drogas que criminaliza sobretudo pessoas negras e pobres; 
Contra o desmonte de políticas públicas e contra a Reforma da Previdência, porque os ataques à aposentadoria e aos benefícios sociais de trabalhadoras e trabalhadores também configuram violência; 
Em defesa da Democracia, para que todos os nossos direitos sejam respeitados!

Ao participar da mobilização vista preto, nossa roupa de luto em luta!

#COU #ColetivoOcupacoesUrbanas

Apesar de você: Ocupar o centro velho implica em perguntar cidade para quem?

Músico foi atingido no abdômen por bala de borracha – Arquivo Pessoal/ND.

Dia 20 de janeiro, após o show do Los Desterros no Taliesyn guarnições da polícia militar foram a Rua Victor Meireles para dispersar um grupo de pessoas que estava cometendo o grave delito de cantar samba e conversar na rua.

Palmas e vozes cantando “Apesar de Você” foram suficientemente provocativas para desperta o ódio do policiais militares? Não sei, a música “Apesar de Você”, uma dura crítica a ditadura civil-militar que durou 21 anos e deixou marcas profundas na sociedade brasileira como a herança maldita de uma policia militar, pode ter sido o motivo para alguns policiais atacarem de forma sádica pessoas.

Ainda assim, acho que o motivo dessa merda toda que aconteceu dia 20/01/2019 tem sua historicidade refletida na conjuntura onde torturadores são chamados de heróis pelo Talibã Neoliberal no Bananistão (Brasil), algo que entre outras coisas, torna ainda mais forte o que são a Policia Militar e as Guardas Municipais: braços armados executores da política de amplos processos de higienização social e controle social armado dos centros urbanos.

Essa política de de higienização social e controle social armado se erradia por toda cidade em Florianópolis, não são parte do ideário de outra política, de nova política como gostam falar os empreendedores, viúvas da ditadura e de neofascistas do MBL, é mesma política dos anos 2000 que fez de Florianópolis laboratório para teste da política de segurança pública tolerância zero, na época governada pela clã Amin.

Ironia?
No dia 20, havia desde a tarde uma grande concentração de pessoas na região da Rua Vitor Meireles por causa o evento promovido pelo “Square Lab, o primeiro coworking a céu aberto do Brasil, um super projeto do Centro Sapiens que promete ocupar e promover, através da economia criativa, o espaço entre a antiga Escola Antonieta de Barros e o Museu da Escola Catarinense, no Centro de Floripa”. Onde a atração principal era a banda Franscisco El Hombre, conhecida por suas letras de contestação.
Por que irônico? Porque se estava justamente comemorando o lançamento um projeto que faz parte da nada transparente e nada democrática política dos gestores de empresas privadas do Centro Sapiens, a CDL e a Prefeitura, promotoras de higienização social.

O que aconteceu no Taliesyn?

O bar fechado meia hora antes por ordem da PM, antes chegarem com reforços com armas menos letais. O inicio das agressões policiais começaram com a baforada de gás de pimenta da PM no pessoal que cantava samba, totalmente despropositada. Vi um professor da rede estadual com o rosto coberto de spray de pimenta, e como se não fosse suficiente foram desferidos disparos a queima roupa lhe acertando em cheio e causando três lesões: duas na região próxima a axila e uma próxima ao pescoço. Qual o crime do professor, cantar e reclamar do primeira agressão?

Essa cena não te diz nada? A intenção não era dispersar as pessoas ou conter alguém mais exaltado, mas causar uma lesão corporal grave, daquelas que cegam de um olho, quebram ossos e dentes, como a gente já viu acontecer aqui na cidade tantas vezes.

Dali em diante foi uma correria, encontrei um jovem que havia recebido um tiro no braço, estava bem machucado; uma mulher que ao tentar fugir da PM caiu quebrando o dedo e ferindo o queixo; o relato de uma jovem que levou um cacetada na cabeça e teve o celular furtado pela PM ao tentar gravar o que estava acontecendo; e de um outro professor que levou um tapa no rosto tão forte que chegou a cair no chão e ficou com os lábios feridos. Outros relatos estão no Facebook e já foram publicados na imprensa local.

Durante a ação os policiais gritavam “Agora é Bolsonaro. Porra!” enquanto distribuíam cacetadas a torto a direito atiravam balas de borracha como se estivessem curtindo um carnaval antecipado, lembrando dos episódios na Lagoa, Santo Antônio e Sambaqui onde a PM fez nos carnavais passados verdadeiros fiascos.

Não foi a primeira vez que se escuta policiais gritando “Agora é Bolsonaro!” No fim de 2018, quando as pessoas estavam indo embora do GeoSamba, uma roda de samba dentro da UFSC na frente do Museu de Arqueologia, a policia chegou e distribuiu tiro, porrada e bomba aos gritos que expressam o que eles entendem em ter um completo cretino racista, homofóbico e autoritário como presidente: A liberdade de passar por cima da Constituição e das normas da própria corporação quanto aos procedimentos dos agentes da segurança pública e servidores públicos.

O “Agora é Bolsonaro” é isso aí… a democratização da porrada, não mais restrita as camadas mais pobres e vulneráveis e movimentos populares. Se essa violência institucional escandaliza, ela não surpreende.

A tempos que o sonho da nossa elite escravocrata de Floripa é se vingar de tudo e todxs que consideram uma ameaça ao sonho de uma cidade mais branca para turistas e moradores ricos. O sonho fez do Mercado Publico Municipal um lugar horroroso de concentração das classes médias brancas onde antes havia todo tipo de “gentes” curtindo samba e reggae. Um sonho que não está sendo implantado só pela porrada, mas também, pela prefeitura e o centro sapiens com um nome bonito de indústria criativa com requintes de gentrificação.

Resumindo e propondo ou as pessoas que convivem no centro passam a exigir transparência e participação popular nos processos de reforma urbana na cidade ou estamos na merda. Cantando ou não “Bolsonada”, os copos deles continuam cheios e nosso ainda andam vazios. O calor da rua não pode ser apenas na hora da celebração e da “fextinhaaa”, enquanto tantas pessoas passam frio morando nas ruas.

Ocupar a cidade implica em perguntar: cidade para quem?

Só o poder popular muda a cidade! É tudo nosso! Não deixem nossas revoltas serem gourmetizadas!

Raiva Urbana

Centro Sapiens, Capitalismo Selvagem

Está em curso um processo de higienização social e gentrificação do centro histórico de Florianópolis. Gentrificação é um termo que pode ser traduzido como o aburguesamento ou “gourmetização” de uma região da cidade como consequência de ações que aumentam o custo de vida no local, afastando antigos moradores e frequentadores.

Banner do Coletivo Santa Cecília SEM Minhocão, publicação Cidade para as pessoas ou para as empresas?

A reforma do Mercado Público com custo de R$ 10,7 milhões é uma das primeiras peças deste projeto iniciado pelo ex-Prefeito Cezar Souza Jr. (PSD) em 2015, o mesmo que queria entregar a simbólica Ponta do Coral para a Hantei construir seu gigantesco hotel-marina. A reforma elitizou o local e diminuiu o seu caráter popular com lojas, bares e restaurantes fora do contexto cultural e mais caros.

Bobs do Mercado Público, Culinária Local?

As obras de revitalização do largo da alfandega que estão em curso com orçamento de R$ 8 milhões vão na mesma pegada. Percebam o uso da palavra “revitalização”, para trazer “nova vida” no local, palco tradicional de tantas manifestações políticas e também culturais como a Batalha de Alfandega que todas as quintas reúne jovens da periferia da cidade que ali duelam com ritmo e poesia (RAP), como narrado no documentário A Causa é Legítima: A Batalha da Alfândega é o Direito à Cidade.

Batalha da Alfândega, após repressão da Policia Militar
Projeto do novo Largo da Alfândega,

Mas a cereja do cupcake neste processo é o “Centro Sapiens”, um projeto de revitalização da área leste do Centro Histórico (novamente a palavrinha mágica) encabeçado em 2015 pelo Sapiens Parque em conjunto com a Prefeitura. O projeto pretende transformar a região em um polo de inovação e empreendedorismo e conta com a participação de entidades patronais como a CDL (Câmara De Dirigentes Lojistas) e a ACIF (Associação Comercial e Industrial de Florianópolis).

No mural, inspiração em Barcelona, Nova York e na “Cidade Pedra Branca” em Palhoça. O arame farpado não pode faltar.

Projetos como estes, inspirados em experiências “bacanas” como a do Vale do Silício nos EUA desconsideram estudos que destacam um panorama alarmante para a gentrificação associada ao setor de tecnologia e inovação: são 134 mil pessoas sem teto e duas décadas de gentrificação ocorrendo no estado da California que, sozinho, detém o 5º maior PIB do mundo. Problemas semelhantes ocorrem em países desenvolvidos como a Alemanha e Reino Unido, causando protestos dos moradores de bairros afetados por este empreendimentos.

(Arte de rua em Mission District, São Francisco, California. Créditos: torbakhopper)

Por aqui seria diferente? Nenhum grafite descolado, brechó chique ou hamburgueria vegana vai diminuir o impacto social causado pela especulação imobiliária na região.

Além disto, todas estes “projetos de revitalização” (Mercado Pública, Largo da Alfandega e Centro Sapiens) foram realizados sem qualquer debate com a população da cidade ou da região, com exceção dos setores que podem lucrar com eles e seus sócios políticos (nossos “representantes”). Nenhuma audiência pública, nenhum estudo sobre o impacto no aumento do custo de vida para as pessoas da região, nenhum diálogo com as manifestações culturais que já existem ali (como as batalhas de RAP, rodas de capoeira e de samba), e pior, nenhuma palavra sobre como a cidade vai lidar (e está lidando) com o dramático aumento no número de pessoas em situação de rua, afetadas pela crise geral em que o país se afunda.

Ser humano.

Pois bem, neste Domingo 20/01/19 para “celebrar essa conquista para nossa cidade” acontece o lançamento do “Square Lab – O Centro é a Nossa Praia” o primeiro “coworking a céu aberto do Brasil”, projeto do Centro Sapiens que vai levar um show da desconstruída banda “Francisco El Hombre” para o espaço entre a antiga Escola Antonieta de Barros e o Museu da Escola Catarinense. Levando muita gente questionadora e a esquerda festiva para o “Centro Sapiens” da cidade.

Pois bem, em tempos de cortes para tudo que é “social”, fica o questionamento de como o poder público vai lidar com “os indesejáveis” para este sonho californiano da “Capital da Inovação”. Fica aí um trechinho da música “Tá Com Dólar, Tá Com Deus”, da banda Francisco, El Hombre para dar a letra:

“Eita, fudeu
O dólar vale mais que eu
Vale mais que eu…”

Agora bora beber nossa cervejinha artesanal e cantar nossa canção de protesto, mas não sem esquecer alguns questionamentos:

Quem se beneficiará com estes projetos?
Quais os impactos na identidade cultural do local?
Quais os impactos para a vida dos ocupantes da região?
Que modelo de cidade queremos e qual o modelo de cidade o Capital quer empurrar para nós?

Por Carlos Alberto Silva Leminski
Coletivo Raiva Urbana

Para o Homem do Chifre, personagem icônico do centro de Florianópolis, quase enterrado como indigente em 2017.

Natal Solidário das Ocupações por Moradia da Grande Florianópolis

Na Grande Florianópolis existem centenas de famílias que estão na luta por moradia através das ocupações.

No próximo sábado e domingo faremos outras DUAS Festas de NATAL SOLIDÁRIO das OCUPAÇÕES:

🏘 sábado (22.12) das 14h ate 19h: NOVA ESPERANÇA em conjunto com a MESTRE MOA e BEIRA RIO com mais de 300 famílias no Bairro Brejarú Palhoça

🏘 domingo (23.12) das 14h as 19h: MARIELLE FRANCO com mais de 110 famílias no Alto da Caieira do Saco dos Limões no Maciço do Morro da Cruz

Teremos atividades de lazer. E precisamos de *doação de presentes para as crianças e do café solidário*.

Além disso precisamos consolidar e dar DIGNIDADE E CONDIÇÕES MÍNIMAS para as ocupações. Por isso estamos aproveitando para *ARRECADAR RECURSOS para execução e melhoria de infraestruturas de rede elétrica água e esgoto*.

Para a rede elétrica: fios, disjuntores, tomadas, interruptor, mangueiras, tubulações, conexões.}

Para a execução de módulos de banheiros coletivos e cozinhas comunitárias: Cimento, brita, areia, tábua de caixaria, telhas, fibrocimento, chuveiro, torneira.

Para estas infraestruturas coletivas além desses materiais citada acima, ou doação financeira, aceitamos outros materiais e eletrodomésticos usados como: – bacia sanitária – pia de banheiro -pia de cozinha – geladeira fogão – micro ondas – liquidificador – batedeiras – garrafa-térmica – lixeiras – escorredor – ventilador teto e móvel – panelas
baldes – pratos – -xícaras – talheres – cafeteiras – pano de louça – produtos higiene pessoal, cozinha e área de serviço – varal – prendedor- toalhas de prato – toalhas de rosto e banho – pá enxada -picareta
foice – roçadeira.

Participe desta rede de solidariedade!

(Locais de doação na imagem em anexo).

 

SLAM Continente denuncia abuso de autoridade da Policia Militar

Na noite dessa terça-feira (20/03), na praça do Kobrasol em São José-SC estávamos fazendo mais uma edição do SLAM Continente. Era umas aproximadamente 19:40 quando uma viatura da Polícia Militar parou no meio da praça e chamaram um irmão preto dos nossos. Revistaram só ele e fomos perguntar aos policiais o porquê daquela ação. Costumamos filmar as edições do SLAM e aproveitamos pra filmar essa abordagem policial arbitrária. Os policiais se irritaram e passaram a revistar todo mundo que estava no SLAM pondo no paredão, com as mãos na cabeça. Após essa revista humilhante, abaixamos os braços e gritamos o lema do nosso SLAM: “POESIA QUE LIMPA A ALMA E ABRE A MENTE! SLAM CONTINENTE!”

Após isso, a PM prendeu quatro dos nossos por perturbação à ordem! Fomos conduzidos à uma Delegacia em Barreiros e só fomos liberados após assinarmos um Termo Circunstanciado. Além disso, os policiais apreenderam o celular do companheiro que filmava o SLAM e que filmou toda a abordagem policial.

Esse é mais um episódio de repressão aos lutadores, negros e pobres. Em novembro do ano passado, quatro militantes do movimento hip-hop Quilombo Urbano, foram presos no Maranhão por lutarem por saneamento básico em seus bairros pelo governo e agora estão sendo processados.

Não temos dúvida de que essa ação racista da PM de Raimundo Colombo quer calar a nossa voz. Mas não vão conseguir!