SLAM Continente denuncia abuso de autoridade da Policia Militar

Na noite dessa terça-feira (20/03), na praça do Kobrasol em São José-SC estávamos fazendo mais uma edição do SLAM Continente. Era umas aproximadamente 19:40 quando uma viatura da Polícia Militar parou no meio da praça e chamaram um irmão preto dos nossos. Revistaram só ele e fomos perguntar aos policiais o porquê daquela ação. Costumamos filmar as edições do SLAM e aproveitamos pra filmar essa abordagem policial arbitrária. Os policiais se irritaram e passaram a revistar todo mundo que estava no SLAM pondo no paredão, com as mãos na cabeça. Após essa revista humilhante, abaixamos os braços e gritamos o lema do nosso SLAM: “POESIA QUE LIMPA A ALMA E ABRE A MENTE! SLAM CONTINENTE!”

Após isso, a PM prendeu quatro dos nossos por perturbação à ordem! Fomos conduzidos à uma Delegacia em Barreiros e só fomos liberados após assinarmos um Termo Circunstanciado. Além disso, os policiais apreenderam o celular do companheiro que filmava o SLAM e que filmou toda a abordagem policial.

Esse é mais um episódio de repressão aos lutadores, negros e pobres. Em novembro do ano passado, quatro militantes do movimento hip-hop Quilombo Urbano, foram presos no Maranhão por lutarem por saneamento básico em seus bairros pelo governo e agora estão sendo processados.

Não temos dúvida de que essa ação racista da PM de Raimundo Colombo quer calar a nossa voz. Mas não vão conseguir!

Coletivo Pintelute presta homenagem à companheira Marielle Franco

(FLORIANÓPOLIS)

É com profunda indignação e tristeza que o coletivo Pintelute presta homenagem à companheira Marielle Franco, executada junto a Anderson Pedro Gomes na última quarta-feira (14) após denunciar o terrorismo de Estado. Estado que sempre esteve a serviço do capital e, agora, dos intensos cortes nos frágeis direitos conquistados pelas trabalhadoras e trabalhadores com muita luta.

Mulher negra, favelada, militante socialista, Marielle sempre denunciou o abuso policial contra o povo negro, pobre e periférico que vive cotidianamente com a perseguição e o genocídio, que agora se intensificam com a intervenção militar no Rio de Janeiro.

Um, dois, três, quatro, cinco, seis, sete, oito, nove… NOVE, foram os tiros proferidos no carro em que Marielle e Anderson estavam, balas que pertenciam à Polícia Federal. Uma nítida execução por sua atuação política, sem nenhum disfarce, um ato de intimidação àquelas e àqueles que se mobilizam. Mais do que nunca, é necessário fortalecer redes de solidariedade com aquelas que lutam lado a lado às oprimidas.

Não encontraremos em uma lógica punitivista a solução para tal atrocidade. Não importa apenas quem matou, mas a mando de quem e por que motivos tentam nos calar e silenciar Marielle. Todos os dias, companheiras e companheiros caem lutando por um mundo melhor. É a força de nossas ideias que buscam matar.

Eles não sabem, mas somos sementes e as ruas não negam. A cada coração enterrado, a revolta há de brotar em um muitos novos!

NÃO AO GENOCÍDIO DO POVO NEGRO, pobre, periférico e aquelas que lutam por um mundo mais justo.
FORA INTERVENÇÃO FEDERAL-MILITAR!
FIM DA POLÍCIA MILITAR!
Que o luto se faça luta!
Marielle Presente!
Pinte e lute!

Atos de protesto contra a execução de Marielle e Anderson

Executada com tiros na cabeça a militante de direitos humanos e vereadora pelo PSOL do Rio de Janeiro Marielle Franco. Marielle, nascida e criada na favela da Maré, tinha acabado de denunciar a ação brutal e truculenta da PM na região do Irajá, na comunidade de Acari. Também foi assassinado o motorista Anderson Pedro Gomes, que dirigia o veículo. Se os assassinos se sentiram a vontade para matar a quinta vereadora mais votada pela cidade, imagina o que não fazem por aí nos becos e vielas, de quem mora na favela ou quem vive nos cantões do país? Na semana passada foi o Marcinho do MST da Bahia, assassinado a tiros na frente do filho de 6 anos. O cerco se fecha para quem luta por uma sociedade mais justa nessa democracia de faz de conta.
#mariellepresente #terroristaéoestado#forapmdomundo

Uma de nós
Uma voz
Menos uma
Voz
De nós
Mais uma
Silenciada
Executada
Mais uma
Que é nós
Que ata
Que peita
Que brada
Mais uma
Açoitada a tiros
Como a chibata
Que açoitava
O couro preto
Que reluz em nós
Escravizadas
Aprisionadas
Hoje assassinadas
Dizimadas
Pelo mesmo algoz
Mas seu eco
É grande
Sua imagem
É nossa
Seu nome
É imenso,
É Mar
E ele
não a matará
Dentro de nós
Guerreiras como vós
Unidas a fortes nós
Não calaremos
Venceremos
Te honraremos
Até que não reste
Vestígio sequer
Deste bruto algoz

(Por Larissa de Paula Couto. Pela memória de Marielle Franco. Rio de Janeiro, 14 de março de 2018)

8M – Greve Internacional de Mulheres! Tempo de Rebelião! [Florianópolis]

8M – Greve Internacional de Mulheres! Tempo de Rebelião!

Se liga na programação aqui para Floripa.

Por que paramos:
Contra a DISCRIMINAÇÃO NO MUNDO DO TRABALHO, por SALÁRIOS IGUAIS, pela valorização do trabalho doméstico e de cuidados! Contra a invisibilização da FUNÇÃO SOCIAL DAS MÃES e contra a violação de seus direitos e de seus filhos e filhas!

Contra a REFORMA DA PREVIDÊNCIA DO GOLPISTA MICHEL TEMER. Nós, MULHERES, seremos as mais atingidas pela reforma. TEMER quer ROUBAR nosso direito à APOSENTADORIA DIGNA e à ampla SEGURIDADE SOCIAL.

Contra os efeitos CRUÉIS E ESCRAVAGISTAS DA REFORMA TRABALHISTA do GOVERNO GOLPISTA e por seu imediato CANCELAMENTO!

Contra a Emenda Constitucional 95, que congela os gastos com saúde, educação e segurança pública por 20 anos!

Pela democracia e soberania nacional!

Pelo direito das mulheres encarceradas que ainda sofrem com um sistema carcerário desumano. Em alguns estados, cerca de 70% estão presas preventivamente – sem ter sua sentença julgada!

Contra a opressão e dominação do CAPITAL INTERNACIONAL, que submete nossos países ao papel de servidores de grandes multinacionais, ESCRAVIZANDO trabalhadoras e trabalhadores!

Contra a VIOLÊNCIA MACHISTA que nos ATACA e MATA todos os dias: nas ruas, nos ônibus, dentro de nossas casas, nas escolas e nos ambientes de trabalho. No Brasil, acontece um estupro a cada 11 minutos. MULHERES SÃO MORTAS pelo fato de serem mulheres e o número de feminicídios aumenta a cada dia!

Pelo direito à livre expressão da sexualidade e das identidades de gênero e ao aborto legal, seguro e gratuito!

Contra a discriminação racial e o genocídio da população negra e indígena!

Pela vida de TODAS AS MULHERES: do campo, da cidade, das florestas e das águas!

PROGRAMAÇÃO DO 8M EM FLORIANÓPOLIS:

01/03 a 10/03 – La Kahlo Bodega – Exposição Violências Contra as Mulheres
01/03 19h – Morro do Mocotó – Resistências Reais: Mulheres Negras, Periféricas e de Matriz Africana
05/03 18:30- 22h – Instituto Arco-Íris – Lançamento da Frente pela Legalização do Aborto
07/03 08h às 18h – Assembleia Legislativa de Santa Catarina – SEMINÁRIO REGIONAL: “PELO FIM DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA CONTRA A MULHER” – Auditório Deputada Antonieta de Barros
07/03 às 19:30h – Cinema do CIC – Cinemática – 1ª Mostra Àjé Mulheres Negras no Cinema
08/03 – Largo da Alfândega:
08h às 16h – Tenda Jennifer – Espaço Ciranda e espaço para rodas de conversas e trocas de experiências.
08h às 17h – Tenda Olga Benário – Um olhar sobre a vida das mulheres encarceradas, com materiais e troca de correspondências.
08h às 17h – Tenda Mãe Gracinha – As mulheres quilombolas e a luta por direitos. Com exposição de fotos.
08h às 17h – Tenda Anticapitalista – Tenda da troca (tragam roupas, acessórios, sapatos e disponibilidade de troca de serviços)
09h às 12h – Tenda Valda Costa – Oficina de Grafite com Gabriela Olívia Marques
09h às 10:30h – Tenda Jennifer – Roda de Conversa com ADOSC
10h30m às 12h – Tenda Janete Cassol – Roda de Conversa: Branquitude e Negritude – com Mathizy Pinheiro, Lia Vainer, Vanda Pinedo (MNU) e Maria de Lourdes Mina (MNU)
12h às 13h – Coreto – Coletivo NEGA – Teatro/Performance
13h às 14h – Tenda Janete Cassol – Roda de Conversa: (IN)VISIBILIDADE TRANS – Desafios e Oportunidades – com Lirous K’yo Fonseca Ávila e Maria Zanela
13h – Madalenas – Cortejo
14h às 16h – Tenda Valda Costa – Oficina de Lambe com Kio za’s e
14h às 14:30h – Coletivo Independente Fluído – Performance
14h às 17h – Tenda Janete Cassol – Movimento sindical e social com debate: A Defesa da Democracia e da Soberania Nacional. A luta por Direitos e pela Vida das Mulheres.
14:30h às 15h – Coreto – Paz – Pocket Show Rap
15h às 15:30h – Coreto – KANDACE – Pocket Show Rap
15:30h às 16h – Coreto – Trama Feminina – Pocket Show Rap
16h às 16h30m – Coreto – MC Mooa – Pocket Show Rap
16:30h às 17h – Coreto – MC K47 – Pocket Show Rap
16h às 17h – Tenda Jennifer – Debate: mulheres com deficiência
17h às 17h30m – Coreto – Roda de Samba de terreiro – Samba a Três,com Elaine Sallas, Bu Amato e Tay Muller
17h – Concentração Marcha
17h40m às 18h – Coreto – Pollyana Tathyana Rodrigues (ADEH) – Pocket Show
18h Bloco Cores de Aidê – Abertura da Marcha
20h30m às 23h – Coreto – Batalha da Alfândega:
– Pocket Show: NOVE
– DJ’s Beats Batalha: Brum e Isa
– Apresentadoras: Luneti, Moa e Sara
– Chaves da Batalha: Gugie e Duda
– Playlist feminista: Olívia, Ana, Berra, Sara e Duda
20h – Casa de Noca – Tempo de Resistência – Rumo ao FSM
10/03 – La Kahlo Bodega – das 15:30 às 21h – Até Quando? Não me Kahlo!

O 8MBrasilSC 2018 – Greve Internacional de Mulheres em SC é organizado por mulheres autônomas, de coletivos, movimentos, sindicatos, federações e associações, seguindo o chamado internacional para o 8 de MARÇO. No facebook: 8M Brasil SC.

XØKE – Mo(n)stra Independente de Arte de Guerra de 06/12 até 10/12

Replicação de Catarinas.info.

A terceira edição da #XØKE acontece entre 6 e 10 de dezembro de 2017 por diversos espaços de Florianópolis. Serão 5 dias de programação com 45 ações, entre interferências urbanas – e na praia , exibição de vídeos, intervenções impressas – através de lambes, rodas de conversa, oficinas, entre outras atividades.

“A XØKE :: Mostra independente de arte de guerra é uma ≡ ∆ MO(n)STRA ∆ sem corpo e sem nome que penetra nas brechas no cis-tema_ ebulição vulcânica de muitos gritos contidos_ rasgando o chão que sustenta a ordem nossa de cada dia_ DiStOrCeNdO a imagem limpa e cheirosa dos cartões postais ††††††† saem dos bueiros o mal-estar da cidade oculta e invisível, aquela que não se quer ver, dilacerando a mão estendida e podre do colonizador que conta suas nota$ sujas sentado sobre as CORPAS que não são contadas.”

P R O G R A M A Ç Ã O

QUARTA-FEIRA|  06. 12
09h-13h | Local: Casa 431 (Rua Visconde de Ouro Preto, 431 – Centro)
Oficina “O Corpo em Jogo na Cidade” (9h -12h)  com Entropia Experiências Artísticas (SC)
INSCRIÇÕES: goo.gl/forms/0AtzxLn8XwpWuUDb2
*Contribuição espontânea*

11h | Saída: Ônibus TICEN-TICAN (Centro)
PÓ-E-SCIA PERFORMÁTICA (30min)  com Ayvu (SC)

12h | Local: Largo da Catedral
pra colapsar distância: insistência (1h)  com Le Bafão e Nick Ferreira(SC/TO)

13h | Local: Praça XV
Intervervenção do Trio Arroz de Festa (30min)  com Trio Arroz de Festa(SC)

15h | Local: Praça XV
À Deriva Sonora (45min)  com Rodrigo Ramos (SC)

15h30 | Local: Largo da Alfândega
PORNOCÓPIA (30 min)  com Estúdio de Arte Rebelde (SC)

A definir | Local: Senadinho (Rua Felipe Schmidt – Centro)
O ABISMO (2h)  com A)Gentes do Riso (SC)

17h | Local: Casa Vermelha (R. Conselheiro Mafra, 590 – Centro)
ANSEIOS (30min) com  Ieda M Takaya (SP)

20h | Local: Largo da Alfândega
Vídeos de XØKE ||| Territórios móveis: rua como relação e guerrilha ||| (41min)
Melindrosa ~~~ Ana Luisa Santos
infiltration º2 ~~ Manuel López
P/HERZER ~~ Caio Jade e Lu Hiroshi
registro – Desidentidade | Mulher – Dani Barsoumian ~~ Jeffe Grochovs
Contemplacão ~~ Van Jesus

21h | Local: La Kahlo Bodega (Av. Hercílio Luz, 633 – Centro)
Depois da inocência (10min)  com Maini Ian (SC)

21h30 | Local: La Kahlo Bodega (Av. Hercílio Luz, 633 – Centro)
JENYFER (10min)  com OS Indirigíveis (SC)

22h | Local: La Kahlo Bodega (Av. Hercílio Luz, 633 – Centro)
Fracasso é pra poucos (20min)  com Marília Madalena Outra Fulô (SC)

QUINTA-FEIRA 07.12
09h-13h | Local: Casa 431 (Rua Visconde de Ouro Preto, 431 – Centro)
Oficina “O Corpo em Jogo na Cidade”  com Entropia – Experiências Artísticas (SC)
INSCRIÇÕES: goo.gl/forms/0AtzxLn8XwpWuUDb2
*Contribuição espontânea*

10h | Local: Conselheiro Mafra
INTERVENÇÃO CIRÚRGICA (1h)  com Caroline Serafim Dias e SilMar P RioMar (SC)

12h | Local: Rua Conselheiro Mafra
Chronos-orgia (1h)  com Passarinha in Xamas (SC)

13h | Local: Rua Trajano
Kinksters (40 min)  com Van der Ground

14h | Local: Casa Vermelha (R. Conselheiro Mafra, 590 – centro)
Escuta esse silêncio! (1h30) com Nemê Dan Saramor (SP)

15h | Local: Rua João Pinto
URRO (30 min) com Desordenada Coletivo Artístico (PR)

16h | Saída: TICEN – Plataforma B
Jam Busão (1h) com Coletivo Transitório de Praticantes de Contato Improvisação da Ilha
Trajeto: TICEN – TIRIO – Campeche

16h30 | Local: Largo da Alfândega
Biruta Nua e Crua (30 min) com Calini Detoni [ Palhaça Biruta ] (SC)

17h30 | Local: Travessa Ratcliff
Onça Pintosa (30 min) com Zezé Vivian e Lutiano José (RS)

20h | Local: Praça da Lagoa
Vídeos de XØKE ||| Entre corpos: caminhos do indivíduo coletivo ||| (30min)
o que dizer há uma pessoa que se recusa a morrer? ~~ Cali Ossani
Requiem 1:55 ~~ Mariana Rocha
Sobre as experiências que te tornam muda ~~ Passarinha in xamas, Bu Amato
Eu robô ~~ Sara Não Tem Nome
IMPRESSÕES INVISÍVEIS ~~ Ana Paula Digues
Perejil – Priscila Fernandes
“A Experiência da vida é a pergunta” ~~ Experimento 12: “O mar e ela” – Luanah Cruz
Antro-porno-fagia: Everton Lampe, Lucas Bernardi
experimento (13 de 90) ~~ Maite Nolasco
Em Memória do Meu Ovário Enfermo ~~ Kali Kali

22h | Local: CASA DE NOCA ♫
LA XØKATA – cerimônia de causamento da XØKE
+ programação em breve +

SEXTA-FEIRA 08/12
11h | Local: Rua Felipe Schmidt
Ação Náuseas (1h) com Coletivo Artístico Una (SC)

12h | Local: Largo da Alfândega
MACEDUSSS & Os Desajusta Bando em Marcha de Amor Delicia Defesa da Belezinha do Lixo: O LIXO É O NOVO PIXO! (1h) com MacedusssMACEDU$$$: Identidade Coletiva! (SP)

13h30 | Local: Escadaria do Rosário
Espero Poder Enxergar (1h) com Coletivo Espero Poder Enxergar (SC)

14h | Local: Rua Conselheiro Mafra
PAREDEBALAEU (30min – 2h) com Gustavo Silvamaral (DF)

15h | Local: Rua Felipe Schmidt
excrementos de um poema sujo (45 min) com Vinicius Viana (MA)

16h | Local: Largo da Catedral
Sangue nosso de cada dia (1h) com Carol Zica (SC)

17h | Local: Largo da Alfândega
Experiment-ação-direta Corpus em Chamas (50 min) com Grupa (SC)

18h | Local: Travessa Ratcliff
Enxerto (1h30) com Thais Ponzoni (SP)

19h | Saída: Felipe Schmidt
(sobre)Vivendo ao (meu querido) Inferno (1h) com Carole Crespa aka Bet Raba (SC)

20h | Local: Terminal Velho
Vídeos de XØKE ||| Massa que reage: todas as ações coletivas possíveis ||| (33min)
Les Plages d’Ique ~~ Ique Gazzola
DIOTA ~~ Natasha de Albuquerque
Dança das cadeiras ~~ Corpos Informáticos
A calma do Boi ~~ Ana Carolina Nogueira
Video Arte, Transeuntes ~~ Larissa Brum
Rasteira n.2 ~~ Cali Ossani

20h30 | Local: Terminal Velho
RØDA DE CØNVERSA ~~~~ sobre os vídeos de XØKE
com Cláudia Cárdenas

SÁBADO 09.12
09h | Local: Praça da Lagoa da Conceição
Espaço do Silêncio (7h) com Nina Caetano (MG)

09h30 | Local: Praça da Lagoa da Conceição
Encontro Performático Purpurinado Libertário Monstruoso e Molhado de Bolhas de Sabão Gigantes (2h) com Jão Nogueira (BA)

10h | Local: Praça da Lagoa da Conceição
Trocando olhares (1h30) com Gabi Fregoneis (PR)

11h | Local: Praça da Lagoa da Conceição
Dividindo a cama platonicamente ou +\- (2h) com Mauricio Oliveira (PR)

12h | Local: Pitoco – Lagoa da Conceição
Revés (40 min) com Coletivo SOU (SC)

14h-18h | Local: La Kahlo Bodega (Av. Hercílio Luz, 633 – Centro)
Oficina de Zine com Coletivo Entulho
(parceria com flamboiã – feira de publicações de artista)

15h-18h | Local: Espaço Transformando (Serv. Rio Ponche, 733 – Rio Vermelho)
Xøkinha no Espaço Transformando
++ programação no evento ++

19h30 | Local Terminal Velho
RØDA DE CØNVERSA
Seguido de Batalha das Mina – Florianópolis

22h | Local: Encruzilha Travessa Ratcliff com R. João Pinto
Isoporzinho Parceria com flamboiã
+++ mais info no evento +++

DOMINGO 10.12
11h | Local: Praça da Lagoa da Conceição
AÇÃO CØLETIVA

14h | Local: Praia do Campeche
ØKUPA PRAYA

16h20 | Local: Praia do Campeche
RØDA DE CØNVERSA ~~~~ Corpas pulsantes e atordoadas: como criar brechas/ táticas de resistência em tempos de retrocessos, censuras e perseguição? E a arte independente: por que, para quem? ~~~~

>>>>> nas ruas INTERVENÇÕES IMPRESSAS <<<<<
AGITPORN, de Milequinhentos Oanoquenão Terminou
dEs.nU.dO, de Luan Bittencourt
Dib art digital collage, de Dib art
FUFA-TE, de fugaz
Fluidez Viva, de Fluidez Viva
Guerra Fria, de N Jeans
Humanx, de Tom Kyo Humanx
O Banquete do Entreguismo, de Lilith e Thamara
Placentofagia, de Douloucas
scan-me, Wemerson Prazeres ou Ué
sem título, de Marília Madalena Outra Fulô

——- – ——– – – —— ——- – ——– – – —— ——- – ——– – – ——
Esta edição da XØKE está sendo construída buscando a auto-gestão de maneira colaborativa com artistas, coletivos de arte, produtorxs e espaços culturais locais para intervir e desestabilizar a coreografia imposta na cidade. QUEM FORTALECE TAMBÉM? AdehonlineInstituto Arco-Íris Direitos HumanosETCCasa VermelhaflamboiãLa Kahlo Bodega, Espaço Transformando.

Terra Indígena Morro dos Cavalos sofre ataque a tiros

O Indigenista, replicação do site Racismo Ambiental.

A Terra Indígena Guarani Morro dos Cavalos fica localizada em Palhoça, município no litoral de Santa Catarina, próximo à rica capital Florianópolis. Todos os dias mulheres Guarani levam artesanatos para vender no centro da capital catarinense, e ficam sentadas nas calçadas, quase invisíveis aos olhos de todos, que são maioria de pele branca na região.

A TI Morro dos Cavalos foi o pivô da CPI da Funai e Incra, que foi criada pelos deputados ruralistas no Congresso para investigar reportagens feitas pelo jornal de Santa Catarina ligado ao grupo Globo. A reportagem afirmava que os Guarani seriam paraguaios trazidos ao Brasil por antropólogos da Universidade Federal de Santa Catarina.

Não bastasse a invisibilidade regional, os ataques xenófobos da maioria branca do estado, a TI Morro dos Cavalos sofre com a presença constante de milhares de pessoas que cruzam em frente as Aldeias Tekoá Yakã Porã e Tekoá Itaty, pela BR-101, que corta a área em duas partes, ligadas apenas por uma passarela.

Há previsão desde 2000 pela instalação de dois túneis sob o Morro dos Cavalos, o que liberaria a área para usufruto exclusivo dos Guarani, conforme manda a Constituição Federal de 1988, em seu artigo 231. Porém, a pressão de políticos e da mídia é, mais uma vez, para desconsiderar a presença indígena e manter o trajeto da rodovia por cima do morro, o que já foi considerado ambientalmente inviável pelo Ibama.

Desde 2013, conforme relatam as lideranças da Terra Indígena, quando começou o processo de indenização dos posseiros não-indígenas, vêm ocorrendo ameaças físicas aos Guarani. Documentos lançados pela comunidade nas redes sociais afirmam que até um grupo de cerca de 40 pessoas invadiu uma residência na aldeia, soltando tiros e fogos de artifício, mas foram retirados em seguida pelas Polícia Rodoviária Federal e Militar. Desde aquela época, relatam lideranças que não quiseram se identificar por estarem sendo perseguidas, a Polícia Federal se recusa a agir e a investigar os ataques.

“Os ataques ocorrem sempre em feriados e finais de semana, quando os juruá (não-indígenas) saem para beber e passam de madrugada pela BR dando tiros contra nossas casas”, afirma uma das lideranças.

O último ataque ocorreu na madrugada do dia 18 para 19 de novembro, sábado para domingo. Segundo relatos, carros passaram atirando contra as casas de famílias Guarani na Tekoá Yakã Porã, que fica na Enseada do Brito, na Tekoá Itaty que fica no Morro dos Cavalos, e também o Centro de Formação que fica afastado da aldeia na Estrada do Maciambu. Nenhuma reportagem local foi feita.

Denúncias já foram realizadas pelas próprias lideranças e afirmam que está tudo filmado pelas câmeras de monitoramento da rodovia que pertencem à concessionária Autopista Litoral Sul, do Grupo Arteris. Segundo a Funai, as imagens já foram solicitadas, mas a Autopista libera apenas para a polícia. O problema do povo Guarani da TI Morro dos Cavalos é, mais uma vez, a invisibilidade. A Polícia Federal, segundo lideranças, diz que é um polícia judiciária e não atua com proteção territorial. Já a Polícia Militar, indignam-se os Guarani, afirmam não ter efetivo para atuar, porém as comunidades sabem que os policiais moram na região e também são contrários à demarcação da TI Morro dos Cavalos.

Não bastasse isso, as lideranças afirmam que já foram várias vezes ao Ministério Público Federal pedir apoio, e os procuradores até já fizeram reunião com delegados da Polícia Federal, mas estes mostraram-se contrários a qualquer investigação dos ataques.

Lideranças acreditam que tudo isto é resultado da CPI da Funai e Incra que criminalizou o povo Guarani, e culpam deputados e a imprensa catarinense, afiliada à Globo, por esta situação de invisibilidade e insegurança que passam.

Atualmente há um grupo de apoiadores do povo que, alternativamente, mantém uma vigilância aos finais de semana nas aldeias. A situação se agrava enquanto o poder público policial se esquiva de suas funções. O povo Guarani aguarda uma ação de proteção imediata e teme os feriados de final de ano. “Sem investigação e prisão dos culpados”, dizem, “os criminosos armados que parecem estar protegidos pela Polícia”.

1° Marcha das Periferias – Florianópolis – 20/11


Sim estamos lutando por que estamos em Guerra, todos os dias nas periferias do país inteiro acontece um massacre, um ataque a cada instante é a realidade desse país que a justiça tem cor e classe social. Contra o Genocídio da juventude negra, convocamos todo povo periférico de Santa Catarina a se organizar e vim para a primeira Marcha das periferias de Santa Catarina. No dia 20 de novembro. ✊ Contra o extermínio da Juventude negra e Contra Temer e suas reformas vem com nós ✊
Lançamento oficial das atividades de construção e preparação para marcha.
20/10/2017
Inscreva-se, participe, apoie, realize em sua quebrada uma atividade de construção para a Marcha.

Marcha das periferias
Shows de Rap
Batalha das Periferias
Sarau ZUMBI

Realização:
Movimento Hip Hop Militante Quilombo Brasil
SLAM Continente
Quilombo Raça e Classe – Florianópolis

Apoio:
Dekilograma
Lutar é Preciso
CSP – CONLUTAS
Venha ser mais um apoiador, entre em contato.

Evento no Facebook: https://www.facebook.com/events/139246236702114/

Operação policial quer enquadrar anarquistas e coletivos culturais como ‘organização criminosa’ no RS

Está em curso no Rio Grande do Sul uma operação policial de perseguição política a coletivos culturais e militantes anarquistas, com invasão de espaços culturais, apreensão de livros, computadores e materiais. A RBS acompanha a policia em suas ações, e tem feito matérias sensacionalistas, destacando a participação de estrangeiros e bolsistas da universidade, e a ideologia “contra todo tipo de poder constituído”, fornecendo material para uma matéria que deve sair este Domingo no Fantástico em uma peça de propaganda.

Não é de hoje que estes grupos sofrem perseguição politica, como é o caso da FAG, que mesmo em governos ditos progressistas (Tarso Genro-PT) teve sua sede violada com computadores apreendidos. De qualquer forma, com o golpe recrudescem os ataques, que se ampliam para todo o leque de organizações de esquerda.

Neste momento o importante é ajudar a divulgar, e fazer circular as
informações, acompanhando os próximos capítulos.

Links:

[FAR] Santiago Maldonado Presente!

Divulgamos a recente nota da companheirada da Federação Anarquista de Rosário (FAR), Argentina sobre a confirmação da morte do militante anarquista Santiago Maldonado

SANTIAGO MALDONADO PRESENTE!

Nestes últimos dias se cumpriram 3 anos da aparição do corpo de Luciano Arruga, 7 anos do assassinato de Mariano Ferreira e hoje 20 de outubro se confirma o que todos/as intuíamos o corpo encontrado, rio acima, é de Santiago Maldonado.

Um jovem de bairro desaparece por não querer roubar para a polícia, um morre nas mãos de uma patota por lutar contra a precarização laboral, e outro é desaparecido por lutar pela autonomia do povo mapuche. Em todos eles há elementos em comum, a repressão do estado aponta para aqueles que resultam perigosos por se parte de uma juventude que não se submete, que não abaixa a cabeça, e que não assume os mandatos do sistema.

Contra a repressão nos bairros, contra a precarização laboral e pela autodeterminação dos povos, por todas essas reivindicações tão urgentes seguiremos lutando.

O estado mostrou sua cara mais terrível e voraz, o mecanismo da desaparição forçada é uma metodologia que as classes dominantes sustentam, com suas particularidades, nas distintas conjunturas. E aparecem também as operações midiáticas, desesperadas por instalar na sociedade um discurso que desmobilize, e busque nos de baixo a responsabilidade do que vem acontecendo.

Ainda assim, não puderam freiar as gigantescas mobilizações populares de variados setores em todo este tempo, e temem pela magnitude do fastio e da indignação de nosso povo, que ante semelhante ofensa a sua dignidade, se manifestará mais cedo ou mais tarde nas ruas de todo país.

O QUE MORREU LUTANDO VIVE EM CADA COMPANHEIRO

SANTIAGO MALDONADO PRESENTE!

Fonte: https://anarquismo.noblogs.org/?p=871