Moradores fecham a SC-401 em protesto por agilidade na construção de passarela para pedestres em Canasvieiras

“Um protesto pedindo agilidade na construção de uma passarela para pedestres fechou a SC-401, no norte da Ilha, por 30 minutos na noite desta quinta-feira. Cerca de 50 pessoas bloquearam todas as pistas da rodovia por volta de 19h30min, em frente à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Norte, em Canasvieiras. O trecho é o mesmo onde três pessoas morreram atropeladas só neste ano, justamente onde falta a estrutura adequada para a travessia dos moradores.”

Via DC

Moradores realizam segundo protesto pelo saneamento da praia de Canasvieiras

Cerca de 300 moradores, empresários e turistas se uniram às 10h deste
domingo para a 2ª Caminhada em Defesa da Praia de Canasvieiras. Nas
redes sociais, eles criaram a hashtag #EssaSeráMaior para motivar e
chamar a atenção dos órgãos públicos da Capital. O grupo foi da avenida
Madre Maria Villac até o Rio do Brás com faixas e gritos de ordem pela
salvação do local, tomado pela poluição este verão.

Mais informações em: http://ndonline.com.br/florianopolis/noticias/297729-moradores-realizam-segundo-protesto-pelo-saneamento-em-canasvieiras.html

Morre mais uma ciclista e trabalhadora – Parar a SC401! Chega De Mortes! – 29/01

12645155_10208338772129671_305423567015940364_nFonte: Evento no Facebook

Sexta, 29/01 às 18:00

Vamos protestar na frente dos maiores responsáveis pela CARNIFICINA que é a SC 401.
Concentração em frente ao Cento Adm a partir das 18h.
Bondes sairão do Koxixos, da Pista de Skate da Trindade (e outros locais se for o caso) às 19h em direção ao protesto.
Quando todos chegarem, fechamos a SC.

Mais uma vítima morta no local delimitado pelo poder público para a circulação de ciclistas, “dentro das normas” de acordo com o DEINFRA. Numa rodovia que desde sua inicial duplicação nos anos 90 possui projeto cicloviário ignorado. Que teve seu trecho norte recentemente duplicado e essa ciclofaixa inútil instalada, sem planejamento e sem proteção, numa tragédia anunciada e já cansativamente repetida.

Fotos do primeiro Encontro Estadual de Agricultura Urbana

Fotos do primeiro Encontro Estadual de Agricultura Urbana, que ocorreu no Camping do Rio Vermelho neste final de semana.

A chuva atrapalhou bastante, mas valeu a pena ver bastante gente reunida pra discutir os rumos da agricultura urbana.

Estavam presentes pelo 2 menos dois coletivos de Hortas Urbanas daqui de Floripa. O “Quintais de Floripa” do sul da ilha (campeche) e o Pátio Amigo do norte (Rio Vermelho).

No encontro também foram eleitos delegad@s para o Encontro Nacional.

20150926_182927 20150926_181441 20150926_173446 20150926_170713 20150926_170601 20150926_170549

Assentamento Comuna Amarildo de Souza completa um ano [Replicação Estopim Periódico]

Assentamento Comuna Amarildo de Souza completa um ano

O movimento social catarinense é dono de conquistas que merecem disseminação. Uma das mais emblemáticas é a Comuna Amarildo, que comemora neste final de semana um ano de existência no município de Águas Mornas localizado a 50km da Capital. Uma história árdua de luta por direitos básicos previstos na Constituição e relegados pelo estado e que, atualmente, conta 20 famílias que conseguiram mudar sua realidade. São pessoas que ainda carecem de melhorias nas suas condições de vida, mas que já têm o que comemorar.

A Comuna Amarildo é um marco na luta pela terra e o evento que será realizado nos dias 3, 4 e 5 de julho, servirá para comemorar um ano do assentamento em Águas Mornas e reunir os aliados e os atores sociais que participaram dessa trajetória. O objetivo é mostrar o resultado e a proporção da luta social dos Amarildos. Segundo membros do movimento há que se destacar, por exemplo, que 900 hectares de terras griladas, no Norte da Capital, foram devolvidos a união e essa é uma das grandes conquistas do movimento de reforma agrária local.

Em Águas Mornas, os Amarildos vivem em cerca de 130 hectares de terra. Lá, produzem seus próprios alimentos de forma diferenciada por meio da agroecologia e vivendo em soberania alimentar. Hoje, os Amarildos conseguem inclusive comercializar, a preços acessíveis, alguns produtos em Águas Mornas e comunidades humildes de Florianópolis, como a Vila Aparecida e a Chico Mendes.

Além disso, trabalham no município e na região e suas crianças frequentam as escolas regularmente. Aos poucos, se adaptam e se integram à comunidade, vencendo a resistência inicial do município em recebê-los, sobretudo pela imagem negativa criada pela grande mídia ao lidar com esse assunto.

Nem tudo são flores. Os Amarildos ainda não desfrutam de energia elétrica, o que limita sua vida de diversas maneiras. Já imaginou esta realidade no século XXI? Ainda assim, acreditam ter melhorado de vida, afinal, os altos custos de moradia, sobretudo da Capital do Estado que são excludentes e provocam gentrificação, inexistem e o dinheiro de aluguéis, por exemplo, pode ser revertido para outras necessidades humanas.

Os Amarildos podem e devem comemorar conquistas. Ainda enfrentam as dificuldades legais e a burocracia da reforma agrária, mas são donos de conquistas sociais provenientes de lutas desgastantes, mas dignas e capazes de causar satisfação. A comuna Amarildo é mais uma boa história do movimento social a se contar. Por isso, o Estopim convida ativistas e a população a participar do evento de comemoração e disseminação da comuna.

Por Nícolas David
Saiba mais sobre o evento da Comuna: http://on.fb.me/1NDpsCU

Agenda da semana do Movimento Ponta do Coral 100% Pública

Pessoal,

Fiquem atentos e ajudem a divulgar a agenda da semana do Movimento
Ponta do Coral 100% Pública:

16/03 (amanhã), 16h – Ato na Câmara de Vereadores durante
pronunciamento sobre decreto ilegal do prefeito

https://www.facebook.com/events/794813937279275/

16/03, 18:30 – Segunda reunião de organização da Maratona do Coral –
em frente a Catedral

https://www.facebook.com/events/408147162698058/

17/03, 18:30 – Reunião do Movimento Ponta do Coral 100% Pública –
Escola Padre Anchieta

https://www.facebook.com/events/1572419043027936/

23/03 – Maratona do Coral – Ponta do Coral – fiquem atentos que em
breve divulgaremos a programação!

https://www.facebook.com/events/684167245042353/

Reunião aberta para construir a Maratona do Coral

Neste sábado (14/03) 14h temos reunião para organização do evento da Maratona do Coral, que acontecerá no dia do aniversário da cidade (23/03).

A Maratona do Coral será um evento de atividades culturais na Ponta do Coral em defesa da construção do Parque das Três Pontas e contra a construção de hotel pela Hantei aprovado ilegalmente pelo prefeito.

Precisamos de todo tipo de ajuda para acumular forças nessa luta para que a Ponta do Coral seja um espaço público de lazer e cultura.

É uma reunião ampla e aberta a qualquer individuo, grupo, coletivo de cultura, etc, que queira ajudar a organizar o evento!

Ficou sem Maratona Cultural? bora organizar a Maratona do Coral. :)

Vai ser no pavilhão da arquitetura da UFSC, localização abaixo: https://www.google.com.br/maps/place/Departamento+de+Arquitetura+e+Urbanismo,+Campus+Florianópolis+Campus+Universitário+Reitor+João+David+Ferreira+Lima+Trindade,+Universidade+Federal+De+Santa+Catarina+-+Trindade,+Florianópolis+-+SC/@-27.6029966,-48.517835,18z/data=!4m5!1m2!2m1!1sarquitetura+ufsc!3m1!1s0x95273900afa29f59:0x4f81bcfc2dd02314

Lutas, utopia, jornalismo e coletividade

Lutas, utopia, jornalismo e coletividade

(Resposta à Ric Record)

Por: André Berté

A emissora RIC (Record), em matéria divulgada após o ato realizado pelo Movimento Ponta do Coral 100% Público, em 08/03/2015, tentou transformar um evento pautado na discussão sócio-ambiental, protagonizado – há décadas – por diversas entidades representativas da cidade, em uma ação dirigida por invasores, que receberam o título de “turma alternativa”.

A Ric, sonegou da população, ações concretas firmadas pela corrente suprapartidária que luta pela democratização daquele espaço público, que, de forma nebulosa, tentam transferir a mãos privadas.

Em face da matéria mal dirigida, com viez alienante, a pergunta é: a emissora defende a construção do ilegal empreendimento? A emissora endossa o desrespeito do prefeito César Souza Filho ao Plano diretor aprovado recentemente?

Se o faz, o defende da maneira mais vil possível: tentando desmoralizar grupos legítimos engajados na criação do parque. Ao repórter, à equipe técnica e aos editores da RIC – a título de informação – segue lista de alguns “invasores alternativos”, de “hips” e de rastafaris que ativamente participam do movimento: professores universitários, vereadores, deputados, assessores parlamentares, ONGs, geógrafos, biólogos, arquitetos, Movimento negro, Movimento Ilha Verde, artistas, cadeirantes, estudantes e fotógrafos. Grupos ligados à igualdade de gênero e direitos LGBT, como o Grupo Acontece e a Frente Parlamentar Contra a Violência Contra a Mulher, também estão inseridos na luta.

Matéria preconceituosa, que, em pleno dia das mulheres, cria estereótipos para um grupo amplo, consolidado e altamente representativo. Afinal, a cor ou o trançado dos cabelos deslegitima pessoas de se manifestarem? Tira delas a legitimidade de proposições para a cidade?

Matéria que não aborda a sobrevivência da comunidade pesqueira que há décadas sobrevive e sustenta seus filhos com essa profissão, tampouco as consequências da saída deles da comunidade. O pleno emprego dessa gente, deveria ser defendido, mas – na matéria em questão – ganha ares depreciativos, ares de uma cidade que, baseada na especulação desenfreada, destrói lares, desrespeita movimentos sociais e legislações vigentes. Fere, em si, a própria democracia.

Enfoque jornalístico desfocado da realidade, ao tratar a utopia de forma pejorativa, ao passo, em que, foi exatamente essa utopia que tornou possível a criação dos Parques da Luz e da Lagoa do Peri.

A questão sócio-ambiental, uma das pautas principais do Movimento, com todo o impacto ambiental decorrente da ilegal construção, não deveria ter sido abordada por um jornalismo imparcial? A título de informação, ao nobre repórter é à sua equipe, a área não foi invadida e tem sido limpa pelo movimento Ponta do coral 100% pública, através de mutirões sistemáticos.

Também, a título de esclarecimento, há sim, há décadas, intenso trabalho e planejamento, estes, recentemente evidenciados em atos como: a limpeza da região, O evento do dia das mulheres (organizado pelo movimento Ponta do Coral 100% Pública), protesto em frente à sede da Fatma, “enterro” simbólico do projeto em fevereiro (na Ponta do Coral), assertivas na câmera de vereadores, quando da discussão do projeto e coletas de assinatura via abaixo-assinados.

Uma matéria digna de aplausos, reforçaria o desrespeito do prefeito em relação ao plano diretor e à legislação. Mas, não o faz.

Depreciar a luta – que se estende há décadas – de centenas de pessoas sérias e trabalhadoras, não deveria ser pauta de uma emissora com concessão pública. De forma que, da maneira mais democrática possível, nos colocamos à disposição da emissora para correção de rumos, com possibilidade de uma nova matéria: que respeite os grupos envolvidos, que divulgue a verdade dos fatos e o projeto proposto pelo Movimento.

Utopia é mais que uma palavra, em especial, quando agrupa pessoas decentes engajadas em causas coletivas. Para quem luta e busca um mundo para todos, sonhar é coletivo.

Movimento Ponta do Coral 100% Pública
Página no face: https://www.facebook.com/pontadocoralpublica?fref=ts
Pela criação do Parque Cultural das 3 Pontas: http://parqueculturaldas3pontas.wordpress.com

A matéria da Tv Record: http://ricmais.com.br/sc/ambiente/videos/ponta-do-coral-ainda-causa-divergencias-em-florianopolis/

[Estopim Periódico] Entrevista sobre a Ponta do Coral

Replicação da entrevista feita por Nicolas David, do Estopim Periódico 

A MILITÂNCIA QUE NÃO SE CALA |

A polêmica ideia de levantar um imponente prédio de 18 andares na Ponta do Coral, área central de Florianópolis, tem um movimento social cada mais forte apresentando os seus contrapontos. O Movimento Ponta do Coral 100% Pública, unido a diversos outros representantes do movimento social de Florianópolis e entidades civis, propõe uma utilização social e menos agressiva à natureza desse nobre espaço da nossa Ilha, que é a Ponta do Coral.

Nesta entrevista, entenda os principais questionamentos do movimento que há mais de 30 anos milita nesta causa e que neste ano precisou se mobilizar com mais frequência por meio de manifestações, atos e eventos visando alertar a população a respeito das má condução do poder executivo da Capital.

>>> A ENTREVISTA <<<

✔ Qual foi o estopim da mobilização em defesa da Ponta do Coral?

A luta começou há cerca de 30 anos, quando a área foi vendida, de forma ilegal, pelo então governador Jorge Bornhausen, com a desculpa de comprar um terreno para a Fucabem, o que nunca ocorreu. Estudantes, moradores, pescadores artesanais e o conjunto da população se manifestam contrários ao uso privado e abusivo pretendido. Nos últimos anos, especialmente após a divulgação dos planos da Hantei Engenharia de construir um megaempreendimento hoteleiro, o Movimento Ponta Do Coral 100% Pública tem realizado vários atos e campanhas pela utilização pública e cultural desta área e tem recebido enorme apoio. Obtivemos mais de 17.500 assinaturas no abaixo-assinado virtual pela defesa da Ponta do Coral 100% pública.

✔ Qual o impacto que o movimento acredita ter conseguido através dos atos já realizados?

A cada ato, seja no local ou em outros pontos críticos da cidade como a Câmara de Vereadores, Prefeitura e a FATMA, o movimento se fortalece e ganha apoio da população que passa a enxergar as irregularidades e absurdos constantes no processo de aprovação do hotel e também a importância de proteção e revitalização desse canto espetacular e abandonado da cidade.

Cada pessoa que consegue ter acesso à Ponta do Coral – o que muitas vezes só ocorre durante os eventos dado o abandono atual proposital da área – sai maravilhada e conquistada pela ideia de criação de um parque onde se pudesse observar todos os dias aquele pôr-do-sol maravilhoso e o cenário bucólico da pesca artesanal que ocorre nos ricos arredores do manguezal do Itacorubi.

Depois do ato Enterro dos Ossos, estivemos na Câmara, pressionando os vereadores a votarem uma proposição dos vereadores Lino Peres e Josemir Cunha requerendo que o prefeito revogue o decreto ilegal, que ele publicou poucos dias após a aprovação do novo Plano Diretor. O requerimento também aprovou a ida do Procurador do Município à tribuna para dar explicações acerca da ilegalidade do ato do prefeito. Em uma votação apertada (10×9), entre manifestações contundentes, fomos vitoriosos. Agora o prefeito tem cerca de 10 dias improrrogáveis para responder e o Procurador 30 dias para ir à Câmara. Com certeza, nesta data, estaremos todos lá.

Outro ato foi o de protocolo de uma carta ao prefeito exigindo a revogação do decreto. A recepção da população que passava pelas proximidades da prefeitura naquele momento foi excelente. A grande maioria mostrou-se indignada com a ação do César Souza Jr.

Neste domingo do 8 de março, tivemos um evento múltiplo. O Movimento Ponta do Coral 100% Pública, entendendo a importância da luta pela igualdade de direitos, pelo reconhecimento e respeito das diversidades, pelo fim da violência contra as mulheres e homossexuais, acolheu Movimentos de Mulheres, Grupo Acontece – Arte e Política – LGBT, Frente Parlamentar Contra a Violência Contra a Mulher, Cine Amarildo, artistas, ciclistas, brincantes, músicos, para atividades como piqueniques, oficinas, rodas de música, jogos, conversas, fazendo cumprir a função social daquele espaço maravilhoso, que tem ficado desapercebido.

Como a prefeitura, de forma irresponsável e ilegal, abandonou a Ponta do Coral, demos continuidade à limpeza da área já partir das 10 horas da manhã.

✔ Outros protestos estão previstos? Para quando?

No final de semana do aniversário da cidade faremos um grande ato, onde além das atividades culturais, daremos continuidade a coleta de assinaturas pela criação do Parque e apresentaremos nossas propostas.

✔ Os pescadores que moram nas cercanias, estão de que lado?

Historicamente os pescadores tem sido preteridos nessa cidade. Muitas vezes a especulação imobiliária os tem cooptado através de valores irrisórios em dinheiro. Conhecemos muitos casos em que as famílias foram expulsas de sua região de origem e se instalaram nas periferias das cidades da Grande Florianópolis. Locais que não mais possibilitam a prática da pesca. Muitos estão empobrecidos e com sua auto estima abalada. Não sabemos exatamente o que aconteceu com cada pescador, que tirava seu sustento na Ponta do Coral, mas temos certeza que foram expulsos pela falta de condições e de estímulo. Os que bravamente permaneceram ali, tem sido diariamente assediados pela ideia do Parque.

Temos também os pescadores da Ponta do Goulart, uma das três Pontas, que conformam a proposta do Parque, formam a maior colônia de pescadores registrados de Florianópolis. Estes têm plena consciência do quanto seria prejudicial um edifício naquele local. Têm declarado apoio e colaborado com a proposta do Movimento.

✔Explique a ideia do Projeto Parque Cultural das 3Pontas. Resumidamente, o que o projeto prevê?

O parque visa a conservação ambiental e cultural das 3 pontas: Coral, Lessa e Goulart, únicas áreas naturais remanescentes da antiga formação geomorfológica da Baía Norte, cortadas pela Avenida Beira Mar no final da década de 1970.

Para tal, a totalidade da área da Ponta do Coral teria que ser transformada em uma Área Pública Não Edificante e uma Área Verde de Lazer, por meio da alteração de seu zoneamento no Plano Diretor.

O objetivo é garantir o uso público e adequado da região e da Baía Norte, fomentando um turismo de alta qualidade, que permita a interação entre a população e os visitantes com a natureza.

Outro objetivo do parque é a geração de trabalho e renda para a população e economia local, nos setores da pesca artesanal – três comunidades pesqueiras cercam a área. O uso e ocupação do solo do entorno seria revisto e seguiria na mesma linha.

Tudo isto poderia ser alcançado com a valorização da área através de uma manutenção adequada, de uma rede de mobilidade e acessibilidade entre as três Pontas e da revitalização da orla com a construção de passarelas, passeios, deques, ciclovias e caminhos, garantindo acesso às áreas.

✔ Existem representantes ou órgãos do poder público que estão ao lado do movimento?

Sim, apenas para citar alguns: o IPHAN, órgão responsável pelo Patrimônio Nacional, em dois pareceres (141/11 e 066/12), assinalou a importância histórica e atual da Ponta do Coral e que não deveria ser ocupada por empreendimentos, garantindo o espaço como livre e público. O segundo documento foi assinado pelo arquiteto Dalmo Vieira Filho, que na época era superintende da autarquia federal em Santa Catarina e hoje, acumulando as pastas do IPUF e SMDU, acaba de aprovar o Hotel de 18 andares na Ponta do Coral, contrariando o seu próprio posicionamento institucional anterior.

O ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), órgão ligado ao Ministério do Meio Ambiente e responsável pelas Unidades de Conservação Federais, emitiu parecer contra o empreendimento de hotel da Hantei. Em seu documento, destaca que a Ponta do Coral fica na Zona de Amortecimento da Estação Ecológica de Carijós, bem como do Parque Municipal do Manguezal do Itacorubi.

>>>Movimentos sociais e a população <<<

✔ Qual a maior dificuldade dos movimentos sociais? Seria a interlocução com a população?

Dentre as dificuldades, podemos citar a parcialidade da grande imprensa, que acaba por influenciar parte da população, que não enxerga toda a situação já citada nesta entrevista.

A verdade é que a mídia tem sido cada vez mais autoritária, nada plural nem democrática. Com esse instrumento poderoso, fica difícil se contrapor ao governo municipal e seus parceiros empresários.

Mas nos sentimos vitoriosos, porque mesmo nessa conjuntura temos conseguido ampliar o movimento e ter algumas batalhas ganhas, como o apoio da SPU (Superintendência do Patrimônio da União), dos Ministérios Públicos Federal e Estadual, de órgãos Públicos e alguns vereadores. Vale dizer que vários vereadores estão entendendo as ilegalidades envolvidas nos decretos do prefeito em 2014 e do governador Bornhausen em 1980.

Outro problema é o sistema judiciário, que na maioria das vezes representa interesses privados. Enquanto eles não precisarem explicar ao público suas ações, suas decisões, teremos dificuldade de ganhar as batalhas. Mas é justamente nessa direção que estamos investindo, quando acionamos os Ministérios Públicos e esclarecemos à população da real intenção do governo municipal e estadual. O juiz tem que primar pela independência, para poder julgar de forma ética. Já tivemos sucesso também nesse quesito em um dos processos julgados pelo juiz Marcelo Krás.

Um desafio difícil de ser superado é a prevalência nos órgãos públicos de “cargos de confiança” na maioria das vezes políticos. Estes “gestores” não têm conhecimento e sensibilidade técnica para tratar de questões essenciais ao bem estar da população, causando enormes danos que acabam sendo o foco da luta incessante dos movimentos.

✔ E a população está interessada na atuação dos movimentos sociais?

As lutas dos movimentos sociais têm se aproximado cada vez mais da população e tem sido reconhecida por ela. Temos presenciado apoio explícito não somente ao Movimento Ponta do Coral 100% Pública, mas a outros como na área da saúde e do transporte.

Vale levantar que esses movimentos são compostos por uma parcela da população, portanto acreditamos na legitimidade deles.

Foto: Fã page “Ponta do Coral”

Por Nícolas David, que não quer se calar e nem calar a militância.